23 de outubro de 2020
Campo Grande 33º 22º

APELO

Vídeo: mulheres pedem ajuda para 85 famílias em favela afastada na Capital

Famílias foram movidas para local de difícil acesso e passam por dificuldades em Campo Grande

Moradores da Comunidade Aguadinha, no Bairro Noroeste, em Campo Grande pedem ajuda em alimentação. São mais de 85 famílias que vivem no local. Elas foram movidas da Favela do Linhão, no mesmo bairro, há alguns meses. E agora, com a distância estão esquecidas às margens da cidade.  

A favela Aguadinha sequer aparece no mapa de Campo Grande, mas fica a cerca de 20 quarteirões de distância da área comercial do Noroeste. A maioria das famílias mora em barracos construídos com remendos de madeira, metais e lonas. E as condições ficam ainda mais precárias naqueles lares de pessoas desempregadas ou que recebem menos que um salário mínimo.

Dona Ediran Passos, uma das moradoras, conta que seus maiores desejos de consumo são um fogão, uma cama de casal e o conserto do carrinho de mão que ela e o marido utilizam para juntar materiais recicláveis. Trabalho que realizam pelo pão de cada dia.

Outras três moradoras, Liliane Pereira de Barros, Patrícia Gabriela e Dione Arguelho da Silva onde pedem ajuda em um vídeo enviado à reportagem.  

Algumas famílias conseguiram tijolos e estão começando a construir melhor suas casas. Outras, com maiores dificuldades, por conta de doenças e idade, têm maior dificuldade para evoluir e melhorar as condições de vida da família. Vivem em barracos com menos de 10 metros quadrados.

Há poucos dias um forte vento jogou longe telhados e paredes de cinco barracos no local.  

São dezenas de crianças na comunidade que precisam de doações de alimentos, roupas, brinquedos, materiais de construção, mobília e outros.

Jogado para um local distante e de difícil acesso, temem que a ajuda não chegue para amenizar a fome e a esperança de dias melhores.

O morador Juliano é um líder local. O contato dele para possíveis doações é 99172-9374.