22 de maio de 2022
São Paulo 23º 11º

OPERAÇÃO MINERAÇÃO DE OURO

Vídeo: PF apreende R$ 1,6 milhão em endereços e 3 conselheiros do Tribunal de Contas de MS são alvos

Operação investiga suposto esquema de contratação de funcionários "fantasmas" e desvio de verbas públicas

A- A+

Em 2, dos mais dos 20 endereços batidos pela Polícia Federal nesta manhã (8.jun.21), foram apreendidos R$ 1,6 milhão. Os locais eram propriedades ligadas a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul.

Segundo a PF, as buscas nessa manhã fazem parte da Operação Mineração de Ouro e foram autorizados pelo Superior Tribunal de Justiça. “Há existência de um esquema de contratação de funcionários fantasmas no TCE-MS para beneficiar pessoas ligadas aos conselheiros investigados”, informou o Ministério Público Federal.

Os investigadores apontam que os conselheiros Waldir Neves, Osmar Domingues Jeronymo e Ronaldo Chadid tenham cometido crimes de corrupção, desvio de recursos públicos e fraudes em licitação.

A PF explicou que em um endereço foram apreendidos R$ 955,3 mil em moedas diversas, sendo R$ 889,6 mil em reais, US$ 7,2 mil (R$ 36,6 mil), 200 libras esterlinas (R$ 1,4 mil) e 4,5 mil euros (R$ 27, 6 mil). No segundo endereço, os policiais encontraram R$ 729,6 mil em moeda nacional.

OUTROS ÓRGÃOS

O Ministério Público Federal (MPF) diz que o esquema tenha movimentado valores milionários e “vive” em MS há ao menos seis anos.

A Receita Federal, disse à reportagem que suspeitasse que os conselheiros tenham cometido irregularidade na apreciação e julgamento de processos relativos à empresa detentora da concessão dos serviços de coleta de lixo e de tratamento de resíduos sólidos em Campo Grande, a Solurb. 

A Solurb foi procurada por telefone e disse que enviará resposta por e-mail. Os investigados ainda não se manifestaram.

*Atualização: a concessionária [Solurb] disse não ter conhecimento sobre a operação em questão, nem tão pouco foi formalizada/noticiada, pelos órgãos envolvidos,  sobre os fatos.