26 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 24º

CINEMA

Bolsonaro indica pastor e produtora de festival cristão para Ancine

Edilásio Santana Barra Júnior e Veronica Brendler foram indicados para a direção da Ancine

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) indicou ao Senado os nomes de Edilásio Santana Barra Júnior, o pastor Tutuca, e de Veronica Brendler, diretora do Festival Internacional de Cinema Cristão, para a direção da Ancine (Agência Nacional do Cinema).

As indicações foram publicadas no DOU (Diário Oficial da União) nesta sexta-feira (21). Os nomes precisam ser aprovados pelo Senado.

Apresentador, ator, jornalista e também bispo, Edilásio Barra assumiu no ano passado a Superintendência de Desenvolvimento Econômico da Ancine, responsável pela gestão do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

O Fundo Setorial é o principal mecanismo de fomento direto à indústria do cinema e do audiovisual no país. Tutuca já havia sido indicado, no primeiro semestre de 2019, a um cargo na pasta da Cidadania.

À frente da pasta naquele momento, Osmar Terra queria colocá-lo na direção da Secretaria de Audiovisual, vinculada à Secretaria Especial de Cultura, mas houve resistência mesmo entre bolsonaristas.

Terra, então, recuou, mas, em julho, acabou dando a Tutuca o cargo de diretor do Departamento de Políticas Audiovisuais.

Tutuca teve sua carreira marcada por trabalhos na televisão, primeiramente como ator, depois como apresentador. Comandou o Programa VIP, na RedeTV!, cujo foco eram os temas de coluna social. Também trabalhou na CNT, entrevistando artistas, socialites e empresários -e por esses trabalhos já foi chamado de "Amaury Jr. carioca".

Formado jornalista em 1984 e pós-graduado pela Universidade Candido Mendes, do Rio, atuou ainda como diretor do programa Rio de Prêmios, exibido pela Record, e do esportivo Copa Super 7, também na RedeTV!. 

Foi um dos fundadores, em 2011, da Igreja Continental do Amor de Jesus, que tem sede no Rio de Janeiro, da qual é pastor. Também se candidatou a vereador pelo PSD na capital fluminense em 2012.

Veronica Brendler apresenta-se nas redes sociais como produtora cultural, cineasta, assessora de imprensa e diretora do Festival Internacional de Cinema Cristão.

Em seu currículo, apresenta-se como produtora cultural "com mais de 80 projetos aprovados na Lei Rouanet", iniciativa de fomento à cultura que sempre foi alvo de críticas de Bolsonaro.

Ela também cita elaboração de projetos culturais, ambientais, esportivos e cinematográficos. Diz ser palestrante sobre Lei Rouanet e elaboração de projetos, roteirista, diretora de produção do filme "O Reencontro do Amor", além de ter realizado a 1ª Mostra de Cinema Cristão, 30 encontros de cineastas cristãos e de dirigir a Escola de Cinema Cristão.