01 de outubro de 2020
Campo Grande 41º 22º

Com mais de 90 suspeitas, Ladário inicia nova fase de mutirão contra a dengue

A Secretaria de Saúde de Ladário, em parceria com a Marinha e o Exército, iniciou na manhã da terça-feira, 13 de maio, uma ação de conscientização nos bairros da parte alta daquela cidade, que são os que mais têm registrado focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. De acordo com o secretário de Saúde, Cleber Colleone, o número de casos de dengue diminuiu muito em relação ao ano passado. Segundo ele, a população tem colaborado com a limpeza de seus quintais e o mutirão iniciado serve para que não se esqueçam de que a dengue pode matar. “Essa é a terceira ação de mutirão de combate a dengue em Ladário. A continuidade das ações de prevenção é o nosso principal foco. A gente tem trabalhado ao longo deste ano a parte educativa junto às crianças, junto com a população para evitar que acumulem possíveis criadouros em casa. Com essa parceria, vamos de casa em casa orientando que coloquem os materiais que possam acumular água para o lado de fora para que a nossa equipe possa recolher”, explicou o secretário ao Diário Corumbaense. “No ano passado tivemos, só nos dois primeiros meses, mais de 300 notificações de dengue. Este ano, já estamos em maio, e tivemos apenas 93 casos notificados e 12 confirmações. A população tem ajudado e tem consciência que a dengue pode matar", disse Colleone. Em abril, houve o registro da morte da jovem Fernanda Mattas, de 24 anos, com quadro de dengue hemorrágica. Ela morava no município ladarense. O mutirão seguiu do Núcleo de Controle de Zoonoses e de casa em casa entregou panfletos que explicam como evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue. Agentes de saúde e militares também borrifaram produtos em caixas d’água que apresentaram larvas. A partir desta quarta-feira, dia 14, será feito o recolhimento dos materiais que os moradores deixarem na porta de suas casas. O Índice de Infestação Predial (IIP), equivalente ao LIRAA do Município, está abaixo de 2%, muito próximo do que recomenda a Organização Mundial de Saúde, que é 1%. O bairro Nova Aliança é o que mais preocupa, com 23 casos notificados, seguido do Centro (19); Santo Antonio (18); Alta Floresta (14); Boa Esperança (09); Conjunto Mangueiral (04); Zona Rural Apa Baía Negra (03) e Almirante Tamandaré (02). Durante a ação realizada com o apoio de militares do Exército Brasileiro, em março, foram retirados 7,5 mil quilos de materiais que serviam como criadouros para o mosquito da dengue. Outra medida em andamento é a notificação de terrenos baldios. As equipes da Vigilância Sanitária, Secretaria de Obras e Saúde e o Setor de Tributos da Prefeitura, só no mês de abril, notificaram 22 proprietários de  terrenos. Fumacê Os moradores têm cobrado a utilização do fumacê. Conforme o secretário de saúde, ainda não é a hora de utilizar este recurso, já que não existe risco de epidemia da doença. “O fumacê é utilizado somente quando há uma necessidade extrema, quando ocorre uma epidemia de dengue, e até o momento não é necessário o uso deste recurso. Para evitar que haja uma epidemia, realizamos ações durante o ano todo, além de reforçar que a população tem que participar. Conscientização é muito importante neste momento”, explicou. Diário Corumbaense