09 de maio de 2021
Campo Grande 30º 15º

Escândalo: Com R$ 5 mil de salário, vereadora de Paranhos recebia R$ 134,00 por mês do bolsa família

A- A+

Nos dois primeiros meses deste ano, uma autoridade de Paranhos, eleita pelo povo, figurou entre os 1.518 beneficiários do bolsa família, programa  de transferência de renda do Governo Federal destinado a tirar da linha de miséria famílias com renda mensal de R$ 70,00 por pessoa.

A vereadora Maristela Jesus Vernal Gregol, eleita pelo PT com 125 votos, até fevereiro, recebia do programa R$ 134,00 por mês,  embora receba R$ 5.100,00 de salário da Câmara, além de ser esposa de um empresário da cidade e seus irmãos são prósperos fazendeiros no Paraguai.

Marista estava recebendo o beneficio desde janeiro de 2012, quando conseguiu sua inclusão no cadastro único que tem 2.331 famílias inscritas, mas só 64% recebem a ajuda oficial. A ex-bolsista reside numa casa de padrão classe média para uma cidade de 12 mil habitantes, onde 56% da população ganha um salário mínimo e mora nas aldeias da etnia Guarani-kaiowá localizadas no município, onde as casas são cobertas lonas plásticas.

Até a poucos dias, Maristela circulava pela cidade numa caminhonete F-250 (vendida para um familiar) que ela usou na carreata comemorativa da sua vitória nas urnas. Junto com a família, costuma passar as férias em cidades litorâneas, onde as horas de lazer nas praias e em passeios a mar adentro em escunas custam pelo menos duas vezes o valor do beneficio.

Segundo o ex-gestor municipal do Bolsa Família em Paranhos, Vilmar Rambo, que deixou o cargo em agosto, a exclusão da vereadora da relação dos beneficiários foi efetivada, depois que ela tinha acumulado o recebimento de R$ 264,00 só nos primeiros dois meses do ano. A medida só foi possível após o rastreamento promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social no cadastro dos beneficiários.

A irregularidade foi comunicada ao Ministério do Desenvolvimento Social que tomará as providências para vereadora devolver aos cofres públicos o dinheiro que recebeu indevidamente. A vereadora Maristela se elegeu pelo PT e recentemente se filiou ao PROS (Partido Republicano da Ordem Social).

Em contato com a reportagem do Região News, ela se negou a explicar porque mesmo tendo um bom padrão de vida,  com o orçamento familiar reforçado em mais de R$ 5 mil após sua posse na Câmara, recebia o bolsa família que boa parte dos seus eleitores pleiteou e não conseguiu ser contemplado com o benefício. “Estou numa reunião”, limitou-se a informar e não atendeu mais as ligações da reportagem.

Região News