03 de agosto de 2020
Campo Grande 31º 18º

Médicas cubanas se sentem em casa com recepção em Porto Murtinho

A calorosa recepção - com direito a banda de música, fogos, flores e outros mimos – emocionou tanto que fizeram Yolenma Fonseca Mendez, Damaider Rivero Iliastigui e Mírian Mercedes Hernández Rojas confessarem que sentiam-se “em casa”. As três profissionais contratadas pelo Programa “Mais Médicos”, do Governo Federal, chegaram em Porto Murtinho na noite de quarta-feira (04/12), uma semana antes do previsto, encontraram autoridades e populares divididos entre a curiosidade e a habitual hospitalidade fronteiriça. medicas cubanas O ambiente festivo tomou conta da Câmara Municipal, com a presença de muitos murtinhenses, dos comandantes militares, lideranças políticas, dirigentes da sociedade civil, da presidenta do Conselho Municipal de Saúde, Orieta Fernandes, e dos vereadores Marco Andrei, Carlos Heitor e Regina Hein. Com aplausos, discursos e manifestações de carinho, o povo e os oradores fizeram questão de dar as boas-vindas ao trio. O prefeito Heitor Miranda (PT) e a primeira-dama, Myrian; o padre Erasmo, da Paróquia Sagrado Coração de Jesus; o presidente da Câmara, vereador Marco Andrei; e a assessora municipal da Saúde, Cleide Capriata, que representou o secretário Franklin Salazar, destacaram a importância do programa e a qualidade técnica e conceitual dos profissionais formados em Cuba, onde o sistema de ensino prioriza sempre a atenção básica, a prevenção e a medicina familiar. DESEJO DE DEUS - Com abordagem remetida às escrituras bíblicas, o padre Erasmo citou o exemplo do apóstolo Lucas, que era médico e seguiu Cristo para semear bem-estar e vida. “Vocês chegam nesse desejo de Deus”, frisou, dirigindo-se ás três. E também reforço o alcance social do programa lançado pela presidenta Dilma Roussef: “O governo brasileiro dá provas, com essa atitude, que prioriza a saúde dos brasileiros”. O vereador Marco Andrei lembrou ter sido contrário, por questões políticas, ao programa. Disse que defendia investimentos redobrados na educação. Mas considerou, como ser humano, cidadão e homem de família, que a chegada das médicas representa avanço de abrangência social expressiva. “Somos agraciados por Deus com a presença de vocês”, salientou. O prefeito Heitor Miranda ressaltou que a medicina preventiva e a qualificação da atenção básica ganharam novo impulso. “Saúde é a tradução do que os cristãos buscam em Deus: vida em abundância”, observou.  DSC08577 Em seguida, Heitor disse que as médicas, com sua experiência em saúde da família, vão reforçar várias intervenções das políticas públicas locais. Anunciou para março de 2014 a abertura de um curso da Universidade Estadual (Uems) para capacitar murtinhenses no combate e prevenção às drogas. Sobre o “Mais Médicos”, o prefeito opinou que o programa atesta o engajamento do governo brasileiro numa das maiores causas do país, atacando um dos gargalos mais cruéis da saúde pública: a falta de médicos. “Tem muito médico que critica o programa porque só quer trabalhar na capital, não quer vir para o interior. Então, se o Brasil tem médico bastante pra capital e falta no interior, melhor que venham os cubanos e cubanas, que são de uma medicina de valor humanista consolidado e têm uma das melhores escolas do planeta”. Edson Moraes