30 de setembro de 2020
Campo Grande 40º 23º

Próximo do limite da capacidade, lixão terá de se desativado em até 6 meses

A Prefeitura está numa corrida contra o tempo, sob dupla pressão, para dar uma destinação final das 40 toneladas de lixo doméstico que diariamente são coletadas em Sidrolândia. Precisa cumprir até agosto um termo de ajustamento de conduta firmado com o Ministério Público de desativação até agosto o lixão que em no máximo seis meses não terá mais espaço para receber mais resíduo, mesmo se houver um trabalho eficiente de compactação.

Os problemas de manutenção do trator de esteira e a chuva tem atrapalhado o serviço. Foram retirados do local os 12 catadores que receberam autorização para coletar o lixo reciclável, diante dos riscos oferecidos pelo ambiental insalubre. Além do TAC, a legislação federal prevê que a até dezembro de 2014 os municípios terão de dar uma destinação adequada aos resíduos sólidos que os moradores produzem.

Como não haverá tempo hábil para neste prazo construir e ativar o aterro sanitário, provavelmente será preciso recorrer a uma solução provisória, como transportar para Campo Grande e pagar pelo uso do aterro do sanitário da Capital, que envolve uma logística muito cara. Hoje a coleta do lixo custa em torno de R$ 100 mil por mês

O problema é que a Prefeitura ainda negocia a compra de uma área de 10 hectares onde possa construir o aterro sanitário de uma cidade do porte de Sidrolândia, com pelo menos cinco anos de vida útil, muito menos, dispõe de R$ 1,5 milhão que é o custo estimado de execução do projeto que não fica pronto em menos de um ano, além de exigir um complicado processo de licenciamento ambiental.

Terá de recorrer aos recursos disponíveis na Fundação Nacional de Saúde ou oferecer o projeto para a iniciativa privada tocar, incluindo o lixo reciclável.

O prefeito pretende levantar recursos com a venda ou permuta de 50 hectares na divisa com Maracaju doada em 2002 para a construção de uma usina de álcool e que foi retomada pelo município. Houve a cogitação de se montar um consórcio com Maracaju e fazer o aterro nesta área que fica a 32 quilômetros da área urbana.

Região News