28 de setembro de 2020
Campo Grande 34º 24º

Sidrolândia: para conter avanço de dengue tipo 4, prefeitura reforça fumacê

Embora o número de notificações tenha caído de 2.832, registradas em 2013, para 212 em igual período deste ano (as primeiras 24 semanas do ano), a Secretaria Municipal de Saúde intensificou as ações de controle da dengue. Há duas semanas o trabalho do fumacê foi retomado com a utilização de uma bomba de pulverização remanejada de Jardim. São feitos três ciclos de aplicação (um por semana) nas regiões em que se identificam focos do mosquito transmissor da doença. Nos próximos dias a equipe de vigilância epidemiológica, que hoje tem 22 agentes, será reforçada com a nomeação dos quatro aprovados no concurso público (seria preciso um mais). Estas medidas foram tomadas basicamente a partir de dois sinais de alerta. Houve identificação (em seis amostras) do vírus tipo 4. Também trouxe preocupação o último LIRA (Levantamento Rápido de Infestação por Aedes Aegypti) que registrou um nível que 3,1% dos imóveis visitados, apresentaram foco, índice considerado de alerta, com risco de surgimento de novos casos. A mais crítica da cidade foi à área central, que atingiu picos de 5% de infestação, enquanto o Bairro São Bento, o mais populoso da cidade ficou na média com 2,2%. Segundo a secretária Leila Couto é preciso redobrar os cuidados porque a população está vulnerável a contrair este vírus de tipologia 4.  Em 2013, quando em igual período do ano o número de notificações foi cinco vezes maior, basicamente foram identificados casos de dengue com o vírus tipo 3. “Temos sido extremamente rigorosos. Os pacientes que aparecem nos postos com febre alta, dores no corpo, em princípio, se faz o diagnóstico como suspeita de dengue. Recebem o tratamento adequado e são encaminhadas amostras de sangue para exame”, informa. rn173304_0 “Estamos tendo apoio das imobiliárias que nos cedem às chaves dos imóveis fechados para venda ou locação, para que os agentes possam trabalhar, identificando e eliminando os focos do mosquito. Acionamos o Ministério Público nos casos em que os donos não localizados”, explica a secretária. Outra dificuldade são os terrenos baldios. Em todos os casos os donos são notificados e em caso de reincidência, a Vigilância Sanitária aplica a multa. A maior parte dos focos do mosquito transmissor da dengue é localizada nos quintais, especialmente onde há recipientes com água acumulada, especialmente vasos de plantas. A secretária diz que os resultados destas ações já apareceram, se refletindo na queda do índice de infestação de 3,1% para 1,2%, ainda alto, porque o nível ideal é que menos de 1% dos imóveis visitados apresentem focos do mosquito. Em Sidrolândia, 1.510 imóveis foram vistoriados pelos agentes de controle epidemiológico. Região News