28 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 21º

Acompanhado de Puccinelli, prefeito solicita R$ 3,5 milhões ao Ministério da Saúde

Acompanhado do governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), o prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP) entregou um documento em que reivindica o aumento em R$ 3,5 milhões do repasse mensal do Governo Federal para Campo Grande, beneficiando especificamente a Santa Casa ao secretário de Atenção à Saúde, do Ministério da Saúde, Fausto Pereira dos Santos.

O hospital recebe hoje, R$ 15 milhões por mês das três instâncias de Governo (estadual, municipal e federal) e enfrenta um déficit financeiro de R$ 4,4 milhões. Olarte demonstrou otimismo e acredita que terá uma resposta positiva. “Minha expectativa é de que o ministro Arthur Chioro, a quem caberá dar a palavra final sobre a solicitação, responda positivamente ao pleito, pelo menos parcialmente”, afirma o prefeito.

Vale lembrar que o ministro não pôde receber a delegação sul-mato-grossense porque teve de cumprir agenda de última hora fora do Distrito Federal. Além do governador,  o senador Waldemir Moka (PMDB), o deputado federal Geraldo Resende, o secretário municipal de Saúde, Jamal Salem e o diretor do hospital, Carmelino Rezende participaram da reunião. Além de mais recursos para Santa Casa, o governador pleiteou um repasse adicional de R$ 500 mil para Fundo Estadual de Saúde e R$ 1,5 milhão para Dourados, verba que também reforçará o atendimento de média e alta complexidade na segunda maior cidade do Estado. Inicialmente, foi cogitada a solicitação ao Governo Federal de um incremento de R$ 5 milhões no teto financeiro da Santa Casa. Optou-se por um valor menor (R$ 3,5 milhões) para contemplar também o Hospital Regional (do Estado) e o Hospital Evangélico de Dourados. “Se o Ministério garantir o valor solicitado, Estado e Prefeitura não vão fugir das responsabilidades para garantir o equilíbrio financeiro do hospital”, informa o prefeito. Segundo Gilmar Olarte, o hospital precisa estar com suas contas em dia para ter condições de aderir ao  Programa de Fortalecimento das Entidades Filantrópicas (PROSUS) que garante a anistia da dívida tributária de entidades como a Sana Casa. Hoje, o hospital deve mais de R$ 45 milhões em impostos com a União.

Dany Nascimento