29 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

Bancários paralisam atividades em Campo Grande

Diana Christie

Os bancários de Campo Grande aderiram à greve nacional que começa hoje e continua por tempo indeterminado. De acordo com o Seeb-CG (Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários), não haverá concentração de manifestantes, mas diretores do sindicato estão espalhados pelas unidades orientando aos clientes sobre a paralização.

De acordo com Neide Maria Rodrigues, assessora de comunicação do Seeb-CG, as principais reivindicações são reajuste salarial de 11,93%, mais contratações de funcionários, e fim do acúmulo de funções, pois os bancários estão cumprindo o papel de vendedores também.

Além disso, os bancários exigem melhorias na segurança com a implantação do vídeo-monitoramento e o fim do PL (Projeto de Lei) 4330 que permite a terceirização de serviços. “O banco só pensa no lucro. Não pensa na qualidade de vida das pessoas. Às vezes, os funcionários não atendem adequadamente por falta de estrutura”, afirma Neide.

A Fenabam (Federação Nacional dos Bancos) ofereceu reajuste de 6,1% no mês de agosto, porém a proposta foi rejeitada e as negociações foram travadas. “O valor oferecido é abaixo da inflação. Se houver nova proposta, convocaremos assembleia para decidir os próximos passos”, explica a assessora.

O sindicato apresentará um balanço de quantas pessoas aderiram à greve apenas no final da tarde, mas já adiantou que todas as agências do centro da Capital estão fechadas e outras 26 cidades do Mato Grosso do Sul também irão paralisar seus atendimentos.