17 de maio de 2021
Campo Grande 31º 20º

Décimo terceiro de funcionários de hospitais filantrópicos está atrasado por falta de verbas

A- A+

Em assembleia geral extraordinária convocada pela Fedesul (Federação das Instituições Filantrópicas e Beneficentes do Mato Grosso do Sul) realizada neste momento na Santa Casa de Campo Grande, os hospitais associados discutem o atraso do pagamento do décimo terceiro salários dos funcionários.

De acordo com a presidente da Fedesul, Rosa Conceição da Costa Vilas Boas, os hospitais estão passando por dificuldades financeiras e não tem de onde tirar recursos para pagar o benefício dos profissionais contratados. “A primeira parcela venceu no dia 30 de novembro e ainda não pagamos. Encaminhamos uma solicitação pedindo ajuda à Secretaria Estadual de Saúde”, explicou.

Nilo Leme, representando o secretário estadual de saúde Antônio Lastória, respondeu que o governador André Puccinelli (PMDB) já está ciente da solicitação, mas não apresentou uma resposta definitiva ainda. “Rezo para que venha a autorização e, o mais breve possível, faremos o depósito. Só depende da caneta do governador”, brincou.

Após a crítica de um participante que questionou se precisariam ser feitos protestos para que os governantes ajudem na solução, Rosa rebateu que foi até a Governadoria pedir uma audiência com o governador para que “a caneta funcione”.

Alcides Charão Ariano, presidente do Hospital Regional de Amambai explicou que não tem verba para pagar os R$ 110 mil do décimo terceiro de seus 70 funcionários, mas se o Estado aceitar fazer o pagamento de metade do valor, a prefeitura municipal do município se comprometeu a quitar a outra metade.

No caso da Santa Casa de Campo Grande, o diretor-presidente da instituição, Wilson Teslenco, reafirmou que o secretário municipal de saúde, Ivandro Fonseca, se comprometeu a pagar a dívida que a prefeitura possui com a entidade no valor de R$ 6 milhões, garantindo assim o décimo terceiro dos funcionários. Além disso, o secretário garantiu que o município arcará com metade das parcelas de empréstimo a ser contraído pelo hospital.

Além do décimo terceiro dos funcionários, está em pauta para a reunião o ProSus, programa do Governo Federal para acabar com as dívidas de impostos das Santas Casas, a nova lei da filantropia e a reestruturação da Santa Casa de Campo Grande.

Diana Christie e Tayná Biazus