25 de novembro de 2020
Campo Grande 34º 23º

Professores mostram sua força e união ao poder público estadual

Na manhã de hoje os professores da rede estadual fizeram uma carreata até à Assembleia Legislativa reivindicando a readequação do piso salarial para 20 horas, que aumentaria o salário base de R$ 1.085,00 para R$ 1.567,00.

Ao chegar à assembleia, o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Botareli, ocupou a tribuna e manifestou sua indignação referente à falta de compromisso do governo estadual com os pedidos dos professores. De acordo com Botareli, além do descaso, o governo não estaria honrando com a palavra e caso as negociações entre os professores estaduais e o governador André Puccinelli não avance o Mato Grosso do Sul irá fazer a maior greve já vista no Estado.

Botareli diz que o Estado estaria querendo dar o golpe e a rasteira nos trabalhadores. O presidente disse aos parlamentares que eles têm condições de colocar seus filhos em escolas particulares e pagar altos valores, porém, a classe trabalhadora não tem condições de pagar R$ 1.500,00 em mensalidades.

Os manifestantes voltaram à Fetems em carreata e lá será servido um almoço. Botareli finalizou dizendo que essa manifestação serve para mostrar ao poder público e aos parlamentares que eles não irão medis as consequências até alcançarem o que desejam.

Hoje, 75% das escolas estão paradas, inclusive a maior escola da Capital, a Joaquim Murtinho.

Tayná Biazus e Anna Gomes