25 de novembro de 2020
Campo Grande 34º 23º

COBRANÇA

Acusações de Moro podem afetar candidatura do Brasil na OCDE

Drago Kos, da OCDE, disse que ligou para autoridades brasileiras para saber "o que estava acontecendo" com o país

Ochefe do grupo de trabalho anticorrupção da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Drago Kos, afirmou que as revelações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro sobre tentativas de "interferência política" do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal podem ameaçar a candidatura do País na entrada da organização.

Em entrevista à Bloomberg, Kas afirmou que a OCDE ligou para autoridades brasileiras para saber "o que estava acontecendo" após o anúncio de demissão de Moro, que deixou o governo no dia 24 de abril após relatar pressões do presidente para mudar o comando da PF.

"Nossos estados membros são muito, muito rigorosos quando discutem adesões à OCDE. Por isso, espero que o Brasil use isso como uma oportunidade, mas se seguirem outro caminho, nossos estados membros saberão como lidar com isso", disse. "Nós queremos ter a certeza absoluta de que o Brasil não está retrocedendo".

Kos afirmou ao site norte-americano ter ficado "chocado" com a saída de Moro. No ano passado, os dois se encontraram em Brasília para discutir medidas anticorrupção adotadas pelo governo brasileiro que devem estar no padrão da organização.

O chefe do grupo de trabalho anticorrupção afirmou que espera que as autoridades brasileiras investiguem as alegações de Moro com o mesmo empenho que fizeram durante a Operação Lava Jato.

"Quando você vê uma pessoa como Moro deixar o Ministério da Justiça, você sabe que algo está terrivelmente errado", disse. "No Brasil, eu encontrei com policiais, procuradores e especialistas muito qualificados que lidam com casos de corrupção. A pergunta agora é o quão livre eles estarão para fazer o seu trabalho?".

Segundo o dirigente, uma videoconferência será realizada em junho para discutir, entre outros assuntos, a saída de Moro do governo. O tema principal do encontro é a candidatura brasileira, submetida em 2017 e que começou a andar no começo deste ano.