05 de dezembro de 2020
Campo Grande 30º 24º

ACUSAÇÕES

Advogados de Moro negam conteúdo 'sensível' e pedem divulgação de vídeo

O ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello autorizou a degravação total do vídeo

Leia também

• Ministro pede que gravação citada por Moro seja entregue em 72 horas

• Bolsonaro recorre ao STF para não entregar vídeo de reunião com Moro

• Acusações de Moro podem afetar candidatura do Brasil na OCDE

• Moro: Planalto deve alegar que vídeo é incompleto

• AGU quer entregar só a parte do vídeo em que Moro fala

• Com demissão de Moro, Bolsonaro agora considera indicar Aras ao STF

• Valeixo, Saadi e Ramagem depõem hoje no inquérito Moro contra Bolsonaro

Rodrigo Sánchez Rios, um dos advogados de Sergio Moro, ex-ministro da Justiça, disse, por meio de nota nesta 3ªfeira (12.maio), que o vídeo da reunião ministerial do último dia 22 de abril confirma a versão de Moro e não contém nenhum assunto de segurança nacional, como havia argumentado o presidente Jair Bolsonaro, ao negar a divulgação do conteúdo, após ele mesmo ameaçar divulgá-lo.  

“Assistimos hoje ao vídeo da reunião interministerial ocorrida em 22 de abril. O material confirma integralmente as declarações do ex-ministro Sergio Moro na entrevista coletiva de 24 de abril e no depoimento prestado à PF em 2 de maio. É de extrema relevância e interesse público que a íntegra desse vídeo venha à tona. Ela não possui menção a nenhum tema sensível à segurança nacional”, disse Sánchez, em nota divulgada pela CNN Brasil.

Bolsonaro pediu para os advogados da União, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU) para que não fosse divulgado o vídeo, argumentando que nas conversas haviam sido assuntos de segurança nacional.

Em depoimento à Polícia Federal, o ex-ministro Sergio Moro relatou à Polícia Federal que Bolsonaro anunciou, durante este encontro com o seu primeiro escalão de governo, que iria ‘interferir em todos os ministérios‘ e que, caso não conseguisse trocar o comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro, ele trocaria o diretor-geral da corporação e o próprio ministro da Justiça. 

O vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril foi exibido nesta terça-feira, na sede da Polícia Federal, com a presença de Sergio Moro. O ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello autorizou a degravação total do vídeo.