30 de setembro de 2020
Campo Grande 40º 23º

RECUOU

Após acusar mídia de propagar "fantasia" sobre vírus, Bolsonaro desconvida manifestação

Presidente apareceu com máscara pedindo para apoiadores não ir às ruas; extremistas contrariaram

O presidente Jair Bolsonaro espera, para hoje (13, março), o resultado de seu exame para saber se foi infectado com coronavírus, pelo COVID-19. Seu secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, contraiu o vírus e está em isolamento. Em pronunciamento à nação, Bolsonaro sugeriu que a população não vá às ruas no próximo domingo (15, março), como havia ele mesmo convocado. “Os movimentos espontâneos marcados para o dia 15 atendem aos interesses da nação”, disse. “Demonstram o amadurecimento de nossa democracia presidencialista. Precisam, diante dos fatos recentes, ser repensados.” Nas horas anteriores, o presidente falou em sua tradicional live de quinta-feira. Lá, vestia máscara — como também vestiram máscaras a seu lado o ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, e a intérprete de libras. É o procedimento correto indicado para quem tem suspeita de infecção. 

Em sua conta no Twitter, porém, logo após o pronunciamento, um grupo de militantes levou ao ar a hashtag #DesculpeJairMasEuVou, os extremistas, disseram que vão ocupar as ruas, a adesão nas redes sociais sempre é boas, mas como não se sabe a originalidade dos perfis que seguem o presidente, dado que certa parte são perfis fakes, então não se sabe se a provocação é real e se haverá de fato a aglomeração dos manifestantes. 

Bolsanaro havia, há dois dias em pronunciamento no exterior, acusado a mídia nacional e mundial de estar propagando uma "fantasia" sobre o coronavírus. Na ocasião, foi amplamente apoiado por seus seguidores. No entanto, na quinta-feira (live tradicional) ele aparece de máscara e diz ser ameaçador o vírus que se aspalha pelo mundo. 

VEJA O VÍDEO 

Na equipe do governo, o secretário Fabio Wajngarten, serve à ilustrar os riscos de travar uma guerra permanente com os fatos. Na quarta, a colunista Mônica Bergamo informou que o secretário havia se submetido ao teste do vírus. Ele preferiu iludir a opinião pública e atacar o jornalismo profissional. ‘Agora falam da minha saúde. Estou bem, não precisarei de abraços do Drauzio Varella’, escreveu. Horas depois do tuíte, confirmou-se que está mesmo com o coronavírus. Ele ainda pode ter transmitido a doença a dois chefes de Estado. Além de viajar com Bolsonaro, participou de jantar com o presidente Donald Trump, os quais também aguardam resultados dos exames. 

Em MS, o senador Nelsinho Trad é outro que aguarda o resultado do vírus, ele foi na comitiva de Bolsonaro ao almoço com Trump. Nelsinho deve receber o resultado de teste realizado na tarde de ontem (quinta-feira), à 12h de hoje, segundo assessoria.  

*Com Meio.