23 de outubro de 2020
Campo Grande 33º 22º

Após Leilão da Resistência, Mara Caseiro espera posicionamento da presidente Dilma

unnamed

A deputada estadual Mara Caseiro (PTdoB) após a realização do Leilão da Resistência, no sábado (7), na sede da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul),  espera que a presidente Dilma Rousseff solucione a questão das invasões de terras por indígenas em Mato Grosso do Sul.

Na opinião da parlamentar, já houve muita conversa com ministros e técnicos do governo, mas sem solução para o conflito. “Agora, está nas mãos da nossa presidente acabar com essa violência no campo, com essa desordem que está instalada. Só ela pode acabar com essa insegurança jurídica em nosso Estado”, afirmou.

A deputada defende que o governo federal promova uma reforma agrária indígena, nos mesmos moldes que o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) pratica com o MST (Movimento Sem-Terra).

Mara Caseiro e dezenas de lideranças ruralistas, não só do Estado, mas de outras regiões do País, participaram no sábado do Leilão da Resistência, principal ação do chamado “Movimento da Resistência”, que pretende mobilizar mais de 2 mil produtores rurais do estado, além de parlamentares federais, estaduais e lideranças do setor, para discutir a questão das invasões de terras por indígenas.

O evento, promovido pela Acrissul, em parceria com a Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), conseguiu arrecadar R$ 640,5 mil com o arremate dos lotes de animais e cereais, segundo o diretor da Leiloboi, Carlos Guaritá.

O dinheiro arrecadado será utilizado para contratar seguranças para as fazendas e advogados para defender os proprietários que tiverem suas áreas invadidas por indígenas.

“A organização do evento está focando o suporte absoluto ao nosso produtor rural, que traz a comida para a mesa do brasileiro, que tem suas terras tituladas pela União e não merece ter seu direito à propriedade violado”, afirmou Mara Caseiro.

Ao todo, foram leiloados 674 cabeças de gado e vendidas mais de três mil sacas de cereais. A entrega dos animais será feita neste domingo (8) a todos os compradores.

Também foram registradas doações em dinheiro. Sacas de cereais doados para o movimento sobraram no dia do leilão e ainda serão comercializadas. O balanço final será divulgado amanhã (9).

O Leilão da Resistência chegou a ser impedido pela Justiça Federal na última quarta-feira (4). A juíza da 4ª Vara Federal em Campo Grande, Janete Lima Miguel, determinou multa de R$ 200 mil em caso de descumprimento da decisão.

No dia seguinte, Famasul e Acrissul entraram com um recurso no TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), em São Paulo, para tentar derrubar a suspensão. O pedido foi deferido na sexta-feira (6), liberando a realização do leilão.

Alan Diógenes com assessoria