01 de dezembro de 2021
Campo Grande 32º 19º

Prefeitura

Aprovado em maio, projeto que identifica ruas da Capital continua parado

A- A+

Aprovado desde maio deste ano, o projeto que permite parceria entre poder público e empresas privadas para identificação das ruas, avenidas e vias da Capital ainda não saiu do papel. De autoria do vereador Chiquinho Telles (PSD) o projeto objetiva melhorar a sinalização.

O custo da confecção e da instalação das placas de ruas e logradouros, com apenas a contrapartida do uso de espaço dessas placas para propaganda da empresa parceira, da iniciativa privada ou mesmo de órgãos públicos.

“Essa é uma das principais reclamações em Campo Grande é a dificuldade enfrentada pela própria população e dos visitantes de nossa cidade, que precisam se deslocar de um bairro a outro e não conseguem encontrar a rua desejada pela falta de placa indicativa, podendo incluir ainda questões como entrega de correspondências”, explica o autor da proposta.

Com isso, inclusive após audiência pública e discussão em plenário, o vereador apresentou projeto para que as ruas da Capital possam ser identificadas em parceria com empresas, a idéia, no entanto, ainda não foi colocada em prática pela prefeitura. 

“Atualmente, muitas ruas e bairros em Campo Grande estão sem nenhuma placa de identificação, isso dificulta a vida dos moradores e visitantes, a proposta sugere a realização de parcerias com empresas privadas para colocação de placas com os nomes das vias públicas. Com isso, as empresas pagam a confecção da placa, as ruas ficam identificadas e isso sem qualquer custo para os cofres municipais, por meio de uma parceria monitorada pelo Poder Público”, explica Chiquinho Telles sobre a proposta.

“É algo que iria ajudar a prefeitura com a identificação das ruas e bairros de Campo Grande. É algo simples, onde a empresa fornece e instala a placa em perfeitas condições, fica também a cargo da empresa  a conservação, os reparos e a manutenção das placas existentes de propriedade da prefeitura. E em contrapartida, o poder público oferece a exploração comercial daqueles que aderirem a parceria”, defende.

Pelas especificações da proposta de lei, os empresários que aderirem ao programa deverão respeitar o projeto de programação visual das placas a ser definido pela secretaria responsável.