24 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 21º

Ben Hur poderá responder por improbidade administrativa por não cumprir cronograma de pagamento de e

O secretário municipal de planejamento, controle e finanças de Campo Grande, Wanderley Ben Hur mais uma vez coloca o prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP), em maus lençóis. Ben Hur tem praticado atos que podem ser enquadrados em crime de improbidade administrativa por não cumprir o cronograma de pagamento correto junto às empresas que prestam serviço à prefeitura. De acordo com denúncias recebidas pelo MS Notícias, Ben Hur tem privilegiado determinadas empresas que recebem antes de outras que já prestaram serviço há mais tempo. Segundo apurações do MS Notícias, a prefeitura ainda deve aproximadamente R$ 18 milhões para a Solurb e para a Litucera, empresas que desde janeiro prestam serviço de limpeza da cidade e coleta de lixo, e também para algumas construtoras que foram contratadas para executar as obras dos Ceinfs (Centro de Educação Infantil) da Capital, pelos quais a prefeitura recebeu verba federal para execução. O atraso no pagamento tem deixado os empresários sem condições de trabalhar e muitos depois de cobrar diversas vezes o secretário Ben Hur se vêem hoje sem condições de dar continuidade ao trabalho. Com isso, obras essenciais para cidade, como a construção das creches infantis, correm risco de serem interrompidas. Ben Hur tem praticado tal ilegalidade desde que assumiu a Seplanfic, em janeiro deste ano, e agora, depois de ter colocado o prefeito em risco devido aos erros dos projetos de suplementação e de orçamento da prefeitura, o secretário agora pode inferir a Bernal mais uma ilegalidade, mais um crime de responsabilidade fiscal, simplesmente porque ele tem privilegiado determinadas empresas em detrimento de outras. A reportagem do MS Notícias entrou em contato com secretário por telefone. Ele nega que a prefeitura esteja pagando as empresas prestadoras de serviço de forma irregular sem respeitar a cronologia de contratação e execução dos serviços contratados. embora afirma que tem pago as prestadoras de serviço da prefeitura regularmente, Ben Hur se negou a apresentar os documentos que comprovam pagamento. Questionado sobre o montante de contratos e valores, o secretário afirmou não saber de cabeça para informar. De acordo com o secretário, não há nenhuma empresa cujo pagamento já foi liquidado que não tenha recebido. "Eu desconheço esta informação. Não existe nenhuma empresa com contrato liquidado no tesouro municipal cujo pagamento esteja atrasado", afirmou Ben Hur. Ben Hur explica que para uma empresa receber da prefeitura, ela precisa apresentar, logo após a execução do serviço ou de uma etapa, a nota fiscal e todas as certidões exigidas pela secretaria pela qual foi contratada. "Se a empresa não recebeu é porque está faltando algum documento, uma certidão ou algum contrato trabalhista. Se a empresa tiver um funcionário sem registro ou com registro errado, ela não poderá receber", explicou o secretário. O secretário afirmou que para que a Seplanfic possa efetuar o pagamento às prestadoras de serviço, é necessário que toda documentação referente à liquidação seja entregue para a respectiva secretaria. "Se a secretaria não me passa as certidões e documentos e não me confirma a liquidação, eu desconheço o pagamento", declarou. No entanto, não é o que dizem os empresários, que por uma questão de segurança, preferiram não se identificar. Segundo o grupo de empresários que procurou o MS Notícias, a prefeitura paga de acordo com os critérios de Ben Hur e mesmo aqueles que têm seu contrato liquidado estão sem receber há pelo menos cinco meses, enquanto outras empresas recém contratadas já recebem por serviços que sequer foram concluídos. Heloísa Lazarini