26 de fevereiro de 2021
Campo Grande 30º 20º

COMEÇO DO FIM

Bolsonarismo conhece primeira derrota eleitoral depois de outubro

O PSL fez uma alta aposta em seu candidato

No Rio de Janeiro, estado em que o candidato Wilson Witzel, do PSL, partido de Jair Bolsonaro, venceu as eleições para o governo em outubro de 2018, sete meses depois os eleitores aplicaram ao bolsonarismo sua primeira derrota nas urnas. No domingo, 2, nas eleições suplementares para a Prefeitura de Iguaba Grande, o candidato de centro-direita Vantoil Martins, do Cidadania, derrotou o peesselista Suboficial Washington Tahim.

No segundo turno das eleições presidenciais de 2018, os eleitores do município, de 28 mil habitantes, deram 78,44% de seus votos para Bolsonaro. Apenas 21,56% optaram por Fernando Haddad, do PT. Agora, por decisão da Justiça Eleitoral, os eleitores foram às urnas para fazer nova escolha de prefeito. Martins teve 5.118 votos e Tahim 3.186. O Cidadania tem como berço o PPS (Partido Popular Socialista), que por sua vez vem do ventre do Partido Comunista Brasileiro (PCB).

A população de Iguaba Grandel teve um aperitivo extra para acompanhou com interesse a disputa: o apoio ostensivo da família Bolsonaro e do vice-presidente da Republica, general Hamílton Mourão, ao suboficial. Do pai, Jair, aos filhos (o vereador Carlos, o deputado federal Eduardo e o senador Flávio) os incentivos a Tahim funcionaram como principal combustível político da campanha.

O PSL fez uma alta aposta em seu candidato. Todas as peças de campanha – incluído um outdoor na entrada da cidade – tinham imagens do candidato ao lado do presidente e de seus filhos. Flávio, que dirige o PSL no Rio, fez um arrastão para levar apoiadores de prestígio à cidade e turbinar a caminhada do suboficial Tahim.

Na véspera da votação, seis parlamentares do partido desembarcaram em Iguaba Grande e ajudaram o candidato a reforçar os apelos importantes em defesa de sua eleição. Uma delas foi gravada pelo vice-presidente da Republica, na qual Mourão afirma que Tahim se encaixa no perfil de moralidade e honestidade do presidente e do governo federal.