06 de maio de 2021
Campo Grande 25º 16º

VERGONHA INTERNACIONAL

Bolsonaro e Heleno esbanjam arrogância após críticas no G-20

Dia ruim: 39 kg de droga apreendidos, laranjas na cadeia nessa manhã e críticas de ambientalistas

A- A+

EDITORIAL — Após a prisão de nomes ligados ao seu partido, Bolsonaro desceu um tanto quanto irritado em solo japonês. A, e tem a "falta de sorte", a prisão dos 39 quilos de cocaína no voo presidencial. Ai foram criticados por suas ações ambientais praticadas no Brasil, Jair Bolsonaro (PSL) e seu ministro-chefe do Gabinete de Segurança Internacional (GSI), Augusto Heleno, não gostaram nada de ouvir verdades e críticas feitas pela chanceler da Alemanha, Angela Merkel, sobre o bárbaro desmatamento expressivo da Amazônia. Eles desembarcaram nessa quinta-feira (27), em Osaka, Japão, para participar da cúpula do G-20. Bolsonaro exigiu "respeito", e disse que não foi ao encontro para ser "advertido", por outros países.  

Aí surgiu uma pergunta desse lado de cá, em solos tupiniquins, se ele foi ao maior encontro de países para avaliar e revisar as práticas para com o meio ambiente, ele não quer ser criticado por suas decisões devastadoras frente ao país com a mais importante reserva natural do planeta?  

É, parece que sim. Heleno por sua vez, considerou “muita coincidência” o questionamento feito pela chanceler alemã, sobre a evolução do desmatamento na Amazônia.

Ontem (26), a chanceler já havia declarado que conversaria com o governo brasileiro, no entanto, o governo foi a um encontro apenas 'à passeio', já que o objetivo principal, que seria criticar as atitudes de outros governos é tido como "desrespeito", pelo chefe do executivo federal e seu "guarda". 

Questionada por deputados ambientalistas sobre a política ambiental do governo brasileiro Merkel disse. "Vejo com grande preocupação as ações do presidente brasileiro [em relação ao desmatamento] e, se a questão se apresentar, aproveitarei a oportunidade no G-20 para ter uma discussão clara com ele", afirmou a chanceler à parlamentares na Alemanha ainda ontem, mas os desejos de diálogo não foram aceitos pelo representante brasileiro.  

Heleno foi mais longe, em declaração nesta manhã, à jornalistas no Japão, disse que a estratégia da chanceler é fazer o Brasil preservar a Amazônia, a fim de que a região seja explorada por estrangeiros. É, ele não pensa em viver mais tanto tempo a ponto de precisar desse planeta. O general destacou que Bolsonaro “não vai aceitar determinadas reprimendas ao Brasil” e considerou “totalmente injustas as críticas à política de meio ambiente do Brasil”.

A fala devastadora de Augusto Heleno veio logo em seguida. "Esses países que criticam? Vão procurar sua turma", tratando de envergonhar cada brasileiro perante ao mundo.

Depois de 25 horas de viagem, Bolsonaro chegou ao hotel em Osaka mostrando irritação com indagações dos jornalistas e interrompeu a entrevista após alguns minutos.

O presidente foi incisivo quando questionado sobre as afirmações de Merkel. Ele disse que viu a declaração “'sem problema nenhum”'. 

E dentro da sua de ampla arrogância Jair Bolsonaro reforçou. "Nós temos exemplos para dar para a Alemanha sobre meio ambiente", viva, agora somos oficialmente o país da arrogância.  

*Com informações de O Globo