15 de agosto de 2020
Campo Grande 35º 22º

Deputados comentam decisão judicial que autorizou o retorno dos trabalhos da Comissão Processante

Alguns deputados estaduais comentaram na manhã de hoje durante sessão ordinária na Assembleia Legislativa, a decisão judicial que foi expedida ontem e que autorizou o retorno dos trabalhos realizados pela Comissão Processante. A comissão foi instaurada para apurar possíveis irregularidades na administração do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP) e pode resultar na cassação de seu mandato.

Para o deputado estadual, Amarildo Cruz (PT), as verdadeiras intenções das investigações e da criação da Processante se perderam. O deputado afirma que o que existe hoje é a predominância de intensões políticas, tendo em vista a ausência de fatos relevantes que comprovem má índole por parte de Bernal. “Não vi fato substancial ou concreto que justifique essa Comissão e agora o retorno dela, vejo tudo isso com certa desconfiança”, disse.

Já Eduardo Rocha (PMDB), discorda do petista e afirma. “Pra mim isso não deveria nem ter ido parar na justiça, pois os vereadores estão cumprindo todos os ritos dentro da legalidade”. De acordo com o peemedebista as investigações foram iniciadas para investigar algo que se constatou haver necessidade, agora, cabe ao prefeito aproveitar a oportunidade que tem e prestar os devidos esclarecimentos. “Se o prefeito não tem nada a temer, que vá lá e se explique”, enfatiza.

Confiante, o deputado estadual Cabo Almi (PT), afirma crer que caso vá para votação em plenário, Bernal conseguirá livrar seu mandato da cassação. “Acredito que se for dada continuidade, o prefeito consegue os dez votos que ele precisa pra não ser cassado, tendo em vista as atitudes mais flexíveis que ele vem tendo”, relata. Almi diz ainda que todo esse confronto é devido a falta de diálogo entre o executivo e legislativo municipal, e atribui também a rixa à um “jogo de interesse envolvendo várias personalidades”.

Após ter conseguido a liminar que autorizou a volta da Processante, os vereadores que integram a mesa irão ouvir amanhã no plenário da Câmara Municipal de Campo Grande, às 14h o depoimento do prefeito Alcides Bernal.

Clayton Neves