16 de agosto de 2022
Campo Grande 33º 23º

ELEIÇÕES 2022

Fraco nas pesquisas, Bolsonaro pede ajuda à Biden, diz Bloomberg

Biden, porém, desconversou e disse que é preciso respeitar o desejo do povo brasileiro

A- A+

Jair Bolsonaro (PL), com medo de ser derrotado nas Urnas foi até os EUA e pediu ajuda à Joe Biden, para vencer o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições de 2022.

A agência de notícias norteamerica disse que o pedido foi feito durante uma reunião privada que os dois tiveram na última quinta-feira (9.jun.22).

O presidente brasileiro estava em Los Angeles para participar da Cúpula das Américas. 

De acordo com fontes anônimas citadas pela agência, Bolsonaro retratou Lula como um perigo para os interesses dos EUA. Biden, porém, falou sobre a importância de preservar a integridade eleitoral do Brasil e, ao receber o pedido de ajuda do presidente brasileiro, mudou o assunto da conversa, segundo o relato da Bloomberg.

Procurados pela agência de notícias americana, nem o governo brasileiro e nem o americano comentaram a informação.

Pesquisas de opinião apontam Lula em primeiro lugar na corrida ao Palácio do Planalto, com maior ou menor vantagem, dependendo do instituto que fez a sondagem. Em alguns casos, os levantamentos mostram que existe a possibilidade de o petista liquidar a disputa ainda no primeiro turno.

Segundo a última pesquisa Datafolha para presidente, divulgada no mês passado, Lula tinha 21 pontos percentuais de vantagem sobre Bolsonaro, com 48% das intenções de voto. O atual presidente ficou com 27%.

"MUDOU DE OPINIÃO"

Durante entrevista coletiva, Bolsonaro afirmou que "mudou" de opinião a respeito de Biden, ao ser questionado a respeito dessa reunião privada. Ele afirmou ainda que o encontro serviu como uma espécie de "reaproximação" com o atual presidente dos EUA.

No entanto, o presidente brasileiro afirmou também que irá se encontrar com o ex-mandatário norte-americano Donald Trump antes das eleições no Brasil. "Conversei com ele essa semana e convidei como sempre. Ele quer, dois meses antes da eleição, encontrar comigo aqui ou lá", disse.

Trump está sendo processado nos EUA por ataque à democracia, quando incitou que radicais de extrema-direita invadissem o Capiólio (Congresso Americano), nos EUA, nas eleições de 2020.  Nos falamos sobre isso aqui no MS Notícias.