29 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 20º

Índios e líderes sindicais comemoram suspensão do Leilão da Resistência

A decisão da juíza da 2ª Vara de Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, Janete Lima Miguel, de suspender, por meio de liminar, o Leilão da Resistência foi muito comemorada pelos índios e líderes sindicais. O Leilão seria realizado no próximo sábado e arrecadaria fundos para contratação de seguranças particulares para os fazendeiros que possuem terras ocupadas pelos índios.

“O leilão acaba com os direitos dos índios, uma coisa que não poderia acontecer em Mato Grosso do Sul devido à quantidade de povos indígenas que vivem aqui. Esse leilão iria prejudicar muito as nossas vidas e causar muitas mortes. É preciso exigir justiça. É uma vitória para o nosso povo”, declarou o cacique da aldeia Guaviry em Aral Moreira – distante 402 km de Campo Grande, Genito Gomes.

De acordo com o cacique, que é da etnia Guarani-Kaiowá, já houve muita violência no campo. Com muita tristeza, ele conta que seu pai, Anisio Gomes, 57, foi morto durante um confronto com os fazendeiros e até hoje o seu corpo não foi encontrado.

Paulo Angelo, presidente Conselho de Direitos Humanos Marçal de Souza, declarou que o Leilão da Resistência preocupava as comunidades indígenas por incitar a violência. “Foi uma decisão sensata, um marco já que estamos próximos ao dia internacional dos direitos humanos, comemorado no dia 10. Basta de ações que possam desencadear violência. Mas é preciso suspender também outros leilões que possam vir a ser realizados nos próximos meses”, alertou.

O presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Botareli, reafirmou que o Leilão é uma tentativa de formação de milícia por parte dos produtores rurais e garantiu que a decisão restabelece a ordem no Estado. “A justiça provou que não tem lado e está pronta a restabelecer a ordem”, finalizou. Opinião reiterada pelo líder da Aldeia Moreira em Miranda – distante 203 km de Campo Grande, Paulo Terena. “Sem o leilão já existe massacre e ameaças, imagine o que poderia acontecer com ele?”, indagou.

Diana Christie e Clayton Neves