04 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

No dia do radialista, vereadores criticam postura de Bernal em programa de rádio

As declarações feitas pelo prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP) durante o programa de rádio Refazenda, da FM Cidade 97,9, têm desagradado os vereadores. No dia em que se comemora o dia do radialista, os vereadores aproveitaram a tribuna livre da Câmara Municipal para reclamar da postura do chefe do executivo.

“O Bernal está usando o programa de rádio para jogar a população campo-grandense contra os vereadores. O prefeito está detonando a Câmara Municipal e não está dando o direito para os vereadores se defenderem. É notório que ele já é dono do programa, mesmo indo apenas como convidado. Os vereadores também deveriam ser convidados para expor seus pontos de vista também”, declarou Airton saraiva (DEM).

Otávio Trad (PMDB) acusou Bernal de atrapalhar as investigações da comissão processante que avalia se houve alguma irregularidade na administração do prefeito. “Ele está falando mal dos vereadores e atrapalhando o trabalho da comissão processante. Ele está usando um veículo de serviço público para tratar assuntos pessoais e isso é ilegal”, alegou.

O vereador Paulo Pedra chegou a afirmar que Bernal deveria esquecer o seu passado nas rádios de Campo Grande. “O radialista pode ser prefeito, mas o prefeito não pode ser um radialista. O Bernal usa o microfone como se ainda fosse radialista, mas precisa esquecer esse lado e trabalhar pela cidade”, argumentou.

Em defesa do prefeito, Alex do PT afirmou que “nada do que ele falar vai resolver quando se trata desse movimento tão radical e de perseguição ao prefeito Alcides Bernal. Esta postura já está consolidada e construída pelos vereadores”.

Segundo o petista, os trabalhos da comissão processante não pararam em nenhum momento por causa da participação do prefeito no Refazenda. “O que está acontecendo é uma escalada violenta contra a democracia, pois os vereadores não sabem que toda pessoa é livre de manifestação do pensamento e pode se expressar. Esta escalada é golpista e manchará a história de Campo Grande”, finalizou.

Diana Christie e Alan Diógenes