29 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 20º

"O PMDB não abrirá mão de seus candidatos", afirma Mochi sobre alianças

O deputado estadual e presidente do PMDB em Mato Grosso do Sul, Junior Mochi, afirmou na manhã de hoje que a condicionante imposta pelo deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) para que fosse possível estabelecer uma aliança entre os dois partidos é um dificultador nas negociações afim unir forças para a corrida eleitoral deste ano. De acordo com Mochi, “o PMDB não abre mão de seus candidatos, tanto ao governo do Estado quanto ao Senado.”

Junior Mochi

“Nunca vou dizer que é impossível, porém para nós é bastante improvável, pois temos como indicada ao senado uma candidata (Simone Tebet) que eleitoralmente tem um desempenho muito bom, e fazemos questão desta vaga. Entendemos a importância política que o Azambuja alcançou, porém para haver essa aliança, as condicionantes impostas por ele dificilmente serão aceitas por nós”, disse.

Em entrevista ao MS Notícias, Reinaldo Azambuja, nome mais cotado do PSDB para a disputa eleitoral, afirmou que os tucanos não aceitarão compor uma chapa ocupando o posto de vice-governador por exemplo. Ou lançam Azambuja como candidato ao governo ou formam chapa majoritária com partidos que o aceitem como candidato ao Senado.  

Para Mochi as dificuldades de Azambuja em encontrar seu companheiro político não se limitam apenas ao PMDB, pois, de acordo com o deputado, dificilmente, será viável aliança dos tucanos com o PT do senador Delcídio do Amaral, devido às diretrizes nacionais dos partidos que são declaradamente opositores, mesmo diante das atuais declarações de petistas e tucanos que afirmam terem autorização de suas executivas nacionais para se unirem no Estado. “Esse será um grande empasse para o PSDB, pois assim como existem dificuldades conosco eles também enfrentarão com o PT, devido as condicionantes nacionais, agora cabe ao PSDB avaliar todas as possibilidades e se decidir”, completa.

Clayton Neves