14 de maio de 2021
Campo Grande 26º 17º

Olarte se esquiva da imprensa e se entrega a polícia no início da manhã de hoje

A- A+

O prefeito afastado de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP) se apresentou à polícia, por volta das 5h30, na manhã desta sexta-feira (2). Olarte é suspeito de envolvimento em compra de votos pela cassação do prefeito Alcides Bernal (PP) em 2014. 

Segundo o advogado de Olarte, Jail Azambuja, ele chegou de viagem e foi direto à 3ª Delegacia de Polícia Civil, localizada no bairro Carandá Bosque, se esquivando da imprensa que passou dias em frente a sua casa. 

 Conforme Jail Azambuja, Olarte está preso e a defesa aguarda decisão de habeas corpus. O pedido foi feito ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), que remeteu a solicitação ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), ainda sem posicionamento.

Mandado de prisão
Olarte teve a prisão temporária (de cinco dias) decretada na noite de quarta-feira (30) pelo TJ-MS e estava foragido. O Poder Judiciário Estadual decretou também a prisão do empreiteiro João Amorim, que se apresentou à polícia nessa quinta-feira (1).
O decreto de prisão dos dois foi a pedido do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). De acordo com o Grupo, eles são suspeitos de envolvimento em compra de votos para a cassação de Alcides Bernal (PP), em março de 2014. Na época, ele deixou a prefeitura e quem assumiu foi Olarte.
O Gaeco também havia pedido o afastamento de 17 vereadores da capital sul-mato-grossense, no entanto, este foi indeferido pelo judiciário estadual. Bernal reassumiu o cargo de chefe do Executivo em agosto de 2015, por determinação judicial. A decisão do TJ-MS que reconduziu Bernal ao cargo de prefeito saiu no mesmo dia, 25 de agosto, em que a Justiça também afastou Gilmar Olarte da prefeitura.