03 de agosto de 2021
Campo Grande 30º 14º

Para Lídio Lopes, Bernal quer atrapalhar planos eleitorais de vice com expulsão

A- A+

Para o deputado estadual Lídio Lopes (PEN), em termos legais, o vice-prefeito Gilmar Olarte (PP) continua no cargo mesmo que sua expulsão do PP (Partido Progressista) seja concretizada. “Sendo expulso do partido não quer dizer que ele perde de ser vice-prefeito”, afirmou.

Apesar de ressaltar que não tem conhecimento jurídico para declarar com certeza, Lídio explica que o executivo funciona de forma diferente do legislativo e ninguém poderia substituir Olarte caso ele seja expulso do PP nem mesmo o presidente da Câmara Municipal, vereador Mario Cesar (PMDB). A não em caso de cassação do vice-prefeito, aí sim o presidente da Câmara de Vereadores da Capital, Mario Cesar poderia assumir o cargo.

Desafeto político do presidente do diretório estadual do PP, prefeito Alcides Bernal, Lídio acredita que o chefe do executivo municipal pretende prejudicar os planos que Gilmar Olarte tinha de se candidatar nas eleições de 2014. “O que ele (Bernal) entende é 'por que vou ficar com um vice que está contra mim, que está armando para a minha cassação?'. Pelo menos é isso que ele tem declarado. O processo de expulsão (do Gilmar Olarte) é pelo desconforto partidário, mas também tira a possibilidade dele disputar a eleição”, alertou.

Por outro lado, o deputado acredita que tanto o vice-prefeito quando o vereador Chocolate, que continua no PP graças a uma liminar judicial, deveriam deixar o partido para evitar maiores desgastes. “Ficar dentro de um partido com quem não está bem, sem ter direito a nada. Se fosse eu, sairia. O Bernal comanda o PP de maneira ditatorial”, criticou.

Lídio Lopes foi expulso do PP por infidelidade partidária no período da campanha eleitoral de 2012. PP e PT pediram o cargo do deputado estadual na justiça com a alegação de que a vaga pertence ao partido, mas Lídio conseguiu manter o seu mandato mesmo assim.

Diana Christie