17 de abril de 2024
Campo Grande 21ºC

OPERAÇÃO LESA PÁTRIA

PF captura golpistas bolsonaristas em MS e coloca tornozeleira eletrônica

Ex-candidato a deputado e vereador, um dos acusados responde a processo por tentativa de homicídio contra um comerciante

A- A+

A Polícia Federal (PF) capturou na manhã desta 5ª feira (29.fev.24), Júlio César Billerbeck dos Santos, de 48 anos, e um 2º golpista bolsonarista em Mato Grosso do Sul. 

Segundo a PF, os suspeitos integram a lista de alvos da 25ª fase da operação Lesa a Pátria. Os golpistas foram submetidos a colocação de tornozeleira eletrônica.  

Júlio foi candidato a deputado federal em 2014 e a vereador em 2016 pelo PT do B, na Capital sul-mato-grossense. 

Júlio também já foi presidente da Associação de Bairros Guaicurus. 

Júlio atuou como presidente do Bairro Guaicurus. Foto: Redes Júlio atuou como presidente do Bairro Guaicurus. Foto: Redes 

Além de ser acusado de golpismo, Júlio responde a um processo por tentativa de homicídio. 

De acordo com a peça judicial, em 4 de julho de 2021, Júlio tentou matar o dono de uma conveniência, de 51 anos, na Rua Pontalina, na Vila Santo Eugênio.

Em sua rede social, o radical bolsonarista fazia postagem incitando a morte de adversários. Em uma das suas publicações, no ano de 2016, Júlio fez ameaças contra o Partido dos Trabalhadores (PT). Anos depois, dem 2018, o ex-presidente inelegível Jair Bolsonaro reproduziu ameaças semelhantes durante fala a extremistas de direita no Acre. Veja a publicação: 

25ª FASE DA OPERAÇÃO LESA PÁTRIA 

A operação caça e julga articuladores de um golpe de estado no Brasil, que resultou em depredação em 8 de janeiro no prédio dos Três Poderes em Brasília (DF). 

 

Como mostramos aqui no MS Notícias, os criminosos são apoiadores de Jair Bolsonaro (PL), que insatisfeitos com o resultado da eleição, tentaram impedir que presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, governasse.  

Conforme nota da PF, foi determinado o bloqueio de bens, ativos e valores dos investigados até o limite de R$ 40 milhões para cobertura e ressarcimento dos danos causados ao patrimônio público.

Além de MS, a PF caça criminosos bolsonaristas no Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Tocantins e no Distrito Federal.

Dos 34 mandados, os policiais cumprem dois de mandado de busca e apreensão e um para colocar tornozeleira em Mato Grosso do Sul.

Os mandados foram determinados pelo ministro Alexandre de Moraes, relator da operação no Supremo Tribunal Federal.

Como mostramos aqui no MS Notícias, a Advocacia Geral da União pediu, em 13/02/23, a condenação definitiva de acusados de financiar os atos golpistasA íntegra.  

FINANCIADORES DO DF E SP

A Lesa Pátria prendeu ao menos três finaciadores dos atos golpistas durante a 25ª fase da Lesa Pátria nesta manhã. Dentre os presos com identidade revelada, estão:  

Joveci Xavier Andrade, de 55 anos, foi preso no Distrito Federal. O empresário é investigado como um dos financiadores de acampamentos bolsonaristas após as eleições. 

Outro preso é Adauto Lúcio de Mesquita, de 56 anos. Ele também é investigado, pela Polícia Civil do DF, pela suspeita de ser um dos financiadores do acampamento antidemocrático montado em frente ao QG do Exército. 

A CPI dos Atos Antidemocráticos apontou os dois como sócios da rede Melhor Atacadista. Atualmente, porém, o nome de Andrade não aparece mais no CNPJ da empresa.

Mesquita e Andrade bancaram um trio elétrico e tendas usadas no acampamento dos manifestantes bolsonaristas em Brasília. Os pagamentos foram comprovados por quebras de sigilo bancário pedidas pela CPI dos atos golpistas na Câmara Legislativa do DF.

Segundo a CPI, os dois mentiram ao prestar depoimentos à comissão. O relatório final da comissão, publicado em dezembro do ano passado, aponta que eles "confirmaram a presença no acampamento estabelecido em frente ao Quartel-General do Exército, no entanto, negaram ter realizado contratações de carros de som ou tendas".

Os empresários foram indiciados por incitação ao crime em duas CPIs. Além da comissão da Câmara Legislativa do DF, a CPMI do 8 de janeiro, no Congresso, também incriminou a dupla.

O terceiro empresário preso é Diogo Galvão, de 36 anos. Ele foi detido em São Paulo. Ativista de Campinas, Galvão trabalha em uma empresa da família, no ramo de madeiras. Ele apareceu no vídeo de convocação e transmitiu ao vivo a manifestação em Brasília, publicando fotos de dentro dos prédios invadidos.

RESUMO DE TODAS AS FASES DA OPERAÇÃO LESA PÁTRIA:

A operação começou em 20 de janeiro, na primeira fase, com 8 mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

Desde janeiro de 2023, a Operação Lesa Pátria teve 25 fases

Desde então, foram cumpridos mandados de prisão e busca e apreensão em várias outras fases em diferentes estados do Brasil. Dentre as fases, vale destacar a 17ª fase foi realizada em 27 de setembro e prendeu Aildo Francisco Lima, que foi acusado de fazer uma live sentado na cadeira do ministro do STF Alexandre de Moraes durante os atos extremistas de 8 de Janeiro.

A 16ª fase, realizada em 5 de setembro, foi a  maior, tendo cumprido 53 mandados de busca e apreensão por determinação do STF em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Ceará, Minas Gerais, Santa Catarina e Paraná.

QUEM FOI PRESO?

Das 1.406 que foram presas por participarem do 8 de Janeiro, estavam presos até o final de abril de 2023, no Complexo da Papuda, 181 homens e no presídio da Colmeia 82 mulheres. Mais 27 homens e 4 mulheres foram presos depois disso, em operações policiais. Eis a lista dos detidos (íntegra) e das detidas (íntegra).

Ao todo, 2.151 pessoas foram presas em flagrante, incluindo envolvidos nos ataques e participantes dos acampamentos montados em frente ao QG (Quartel General) do Exército em Brasília. Foram levadas pela PF ao ginásio da Academia da organização. Depois, 745 pessoas foram liberadas imediatamente. Eram idosos com mais de 70 anos, pessoas com comorbidades e mulheres com filhos.

As pessoas que já foram liberadas cumprem outras medidas cautelares em seus respectivos Estados (íntegra da lista dos liberados no DF aqui  e dos Estados, aqui).