25 de janeiro de 2021
Campo Grande 29º 21º

PR quer selar união com Delcídio e coloca Giroto à disposição do senador

casamento pt e PR O PR (Partido da República) se reuniu na última segunda-feria para ratificar seu compromisso com o PT (Partido dos Trabalhadores) e firmar uma aliança com o partido aqui no Mato Grosso do Sul a exemplo do que aconteceu nacionalmente, em que ambos os partidos são aliados de longa data. De acordo com o deputado estadual Paulo Corrêa, depois de uma reunião com o presidente regional do partido, deputado estadual Londres Machado, e com o deputado federal licenciado Edson Giroto, o PR decidiu que seguirá a nacional e pretende se unir ao PT do senador Delcídio do Amaral, pré-candidato do partido ao governo do Estado. "Está tudo acertado falta só negociar com o PT, que vai decidir e ver qual será a melhor opção para o partido. Colocamos o PR e o Giroto como vice à disposição do PT. O Giroto está no partido e é aliado do PR e por isso deve rezar a missa do PR", afirmou Paulo Corrêa. As declarações do deputado ainda deixam dúvida no ar, pois na segunda pela manhã, o presidente estadual do partido, Londres machado, disse abertamente que esta era uma postura individual do Paulo e que o PR decidiria quem apoiar coletivamente depois de conversa também com a executiva nacional. Paulo Corrêa, no entanto, disse ontem que a decisão foi tomada e garantiu que estava representando a opinião do partido como um todo. Sobre a ruptura de uma aliança antiga do PR com o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) do governador André Puccinelli a quem Giroto é extremamente ligado pessoal e politicamente, o deputado afirma que não há porque temer nem evitar este novo rumo do partido. "Nós também éramos aliados históricos do PT na época do Zeca, mas depois fomos liberados pela nacional para nos unir ao PMDB. No entanto, é bom deixar claro que até o final deste ano continuaremos na base do governo de André aqui na Assembleia", ressaltou o deputado. Heloísa Lazarini e Clayton Neves