11 de agosto de 2020
Campo Grande 33º 20º

Presidente da Fetems diz que os professores vão dar resposta ao governo nas urnas

A manifestação dos trabalhadores em educação da Rede Pública Estadual, começou na sede da Fetems, depois seguiram em carreata até a Assembleia Legislativa.
  Durante a manhã, o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Botareli, ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para manifestar sua indignação. “A Fetems não vai esquecer que em 2014 tem eleição. Vamos lembrar da desfeita e descaso do governo”, disse Roberto. Segundo o professor e representante do sindicato trabalhadores em educação de Miranda - distante 202 km de Campo Grande - Rivelino Novas Pereira, os governantes sempre arrumam as mesmas desculpas e não resolvem os problemas. “Tem que existir uma política séria, que quando prometam, cumpram. O funcionalismo público, com certeza vai pesar nas eleições do ano que vem”, afirma Rivelino. Hoje durante a manhã, os trabalhadores em educação da rede pública de ensino de todo Estado paralisaram as atividades em defesa da valorização da categoria. A ação foi planejada depois da reunião entre integrantes da Fetems e o governador André Puccinelli (PMDB), que ocorreu ontem na governadoria. O impasse para um acordo é quanto a possibilidade de implementar o piso nacional por 20 horas em um período médio. A proposta da Federação prevê a instituição do piso por essa carga horária em um prazo de três anos. No entanto, não houve um acordo, porque o governo propôs implementar a medida em oito anos.   Anna Gomes