04 de dezembro de 2021
Campo Grande 32º 21º

PT reafirma sua fé na vitória de Dilma e pretende usar Copa 2014 para conquistar mais votos

A- A+
copa2014 dilma

Após demonstrações da população sobre a insatisfação em relação ao governo de Dilma Roussef (PT), com a realização de diversas manifestações populares, o PT (Partido do Trabalhadores) acredita ainda que a presidente continua com alto índice de aprovação e descartam a possibilidade ventilada nos bastidores da política de que Lula poderia ser candidato a presidente no lugar de Dilma.

Segundo o deputado estadual cabo Almi (PT),  Lula será o principal articulador de Dilma que, para ele, está com a vitória garantida, principalmente se o Brasil vencer a Copa do Mundo este ano. “Temos manifestações contra a Copa, mas com certeza se tudo der certo, o país vai crescer economicamente e se o Brasil vencer, com certeza os brasileiros ficarão ainda mais satisfeitos e isso conta como ponto positivo para a candidatura da presidente”.

Dilma terá como principal articulador político o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que demonstra através de entrevistas que sua saúde está cada vez melhor, deixando claro que poderá voltar à política em breve, no entanto, os petistas negam a possibilidade de Lula ser o candidato do partido à presidência. Alguns membros do partido de Mato Grosso do Sul, acreditam que Lula deve voltar à política em 2018. “O Lula com certeza tem tudo para voltar, mas não neste ano. Ele vem demonstrando que irá se candidatar em 2018 caso sua saúde continue boa. Ele fez história no Brasil, é um ser humano que onde colocou a mão conseguiu sucesso e agora trabalha articulando a política para que a Dilma assuma mais 4 anos”, afirma o deputado estadual Cabo Almi.

Dilma x PMDB

Sobre o embate de Dilma com o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), o PT considera normal a pressão pelo fato de o PMDB ser uma legenda com grande número de parlamentares e de expressiva participação no Congresso Nacional. “É normal o PMDB fazer essa pressão em cima da presidente, pois a democracia é assim, isto é política”, diz o vereador Zeca do PT.

Ao contrário de Zeca, o deputado estadual, também petista, Pedro Kemp ressalta que o PMDB está acostumado a fazer pressão e que cabe à presidente manter sua decisão de continuar angariando apoio de partidos de menor porte que estão ainda indecisos em relação às alianças para 2014. “O PMDB é um partido que está acostumado a fazer pressão em cima da presidente, eles fazem isso para conseguir mais espaço e a Dilma não pode ceder sempre que eles agirem dessa forma. O foco da presidente agora é ampliar novos partidos e não ceder a essa pressão”, explica o deputado.

Dany Nascimento