18 de junho de 2021
Campo Grande 27º 15º

INVESTIGAÇÃO

Vídeo mostra jovem sobre capô minutos antes de Mariana ser atropelada

Delegada da Mulher fala sobre investigação; jovem vai responder por feminicídio doloso

A- A+

Imagens compartilhadas pela polícia nesta noite (15. maio) mostram alguém sobre o capô do Toyota Etios, que se envolveu em acidente na madrugada de ontem para hoje e resultou na morte da jovem Mariana Vitória Vieira Lima, de 19 anos. O condutor do carro no momento do acidente era o namorado da vítima, Rafael de Souza Carrelo, também de 19 anos, que foi preso em flagrante chorando ao lado do corpo. Mas não é possível afirmar quem conduzia o carro e quem estava sobre o capô a partir das imagens. 

Segundo a delegada plantonista, Joilce Silveira Ramos, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), um dos jovens estava sobre o capô do carro e foram filmados ao passar pelo cruzamento da Avenida Afonso Pena com a Rua Espírito Santo. Veja abaixo:

"Havia alguém sobre o capô do carro desde a Drogasil alí na Rua Espírito Santo. Ainda que a versão dele seja verdade, ainda que se tratasse de uma brincadeira, ainda assim ele vai responder por feminicídio doloso (quando se assume o risco de matar", disse a delegada.    

 "Ele vai responder por feminicídio porque eles têm um relacionamento de quatro meses e pode ter ocorrido uma briga entre eles", reforçou a delegada.   

DUAS VERSÕES 

Essa é a delegada plantonista Joilce Ramos. Essa é a delegada plantonista Joilce Ramos. Foto: Tero Queiroz | MS Notícias

A Deam tem duas versões dadas pelo autor sobre o que ocorreu antes do acidente. Há a versão de que Rafael estava embriagado e Mariana teria tentado o conter entrando na frente do veículo, momento em que ele arrancou com o  carro e ela ficou pendurada sobre o capô. "Inicialmente ele disse que ela estava dirigindo e em certo momento trocaram o volante, ele quis dirigir e ela não quis permitir porque ele estava embriagado e aí ela subiu no capô com a intenção de que ele não tivesse coragem de dirigir embriagado da forma como ele estava e ao invés de atendê-la ele continuou dirigindo com ela no capô, fez uma curva ali em frente ao shopping, perdeu o controle da direção, bateu no meio-fio, bateu numa árvore, nesse momento ela caiu, provavelmente já sem vida, e ele continuou alguns metros a frente, bateu num poste de concreto e parou. Só então, segundo ele, percebeu que ela havia caído, saiu a procura do corpo dela, encontrou o corpo dela caído embaixo da árvore, pegou no colo, sentou na rua com ela no colo e começou a chorar e pedir ajuda para as pessoas que passavam", disse a delegada. 

A segunda versão indica que os jovens estavam brincando e revezavam subir no capô. "Aqui [na delegacia] durante o interrogatório ele mudou a versão. Lá no local quando a delegada entrevistou ele lá, ele já havia dado essa versão, de que eles estavam brincando, os dois haviam bebido bastante, foram no aniversário de um primo dele, ingeriram bastante bebida alcoólica, os dois estavam bêbados e resolveram brincar é..., no primeiro momento ela dirigia e ele subiu no capô, e no segundo momento eles inverteram, ela subiu no capô e ele estava dirigindo e aí aconteceu dele perder o controle da direção e ter ocorrido esse acidente fatal", explicou.  

A delegada disse que se a segunda versão for verdadeira, ainda assim o suspeito responderá pelo crime de feminicídio doloso, pois assumiu o risco de matar, quando decidiu dirigir com a jovem sobre o capô. 

"Cabe a investigação agora, principalmente tentar descobrir qual das duas versões, se realmente ela subiu por brincadeira, ou se ela subiu para tentar impedir ele de dirigir embriagado, mas independente do motivos ele vai responder por feminicídio doloso", explicou a delegada.  

Outras imagens de câmeras serão solicitadas para esclarecer a dinâmica dos fatos. Há também uma testemunha, que tratasse de um guarda que estava no posto de gasolina em frente ao shopping e viu ela passar gritando sobre o capô. "Diz que viu ela passar gritando, mas não conseguimos entrevistar ele, para saber se os gritos eram de socorro ou era de euforia. Ele vai ser ouvido na segunda-feira", finalizou a delegada.