HCAA
sábado, 23 de fevereiro de 2019

ALTOS VALORES

Cerca de 355 aderiram ao parcelamento da energia em MS

Proposta teve início de adesões no dia 20 de janeiro

Por: TERO QUEIROZ05/02/2019 às 11:40
ComentarCompartilhar
Foram constatados abusos em todo o EstadoForam constatados abusos em todo o EstadoFoto: Reprodução/Web

Do dia 20 de janeiro até hoje (5), cerca de 355 pessoas aderiram ao parcelamento da conta de energia. A proposta foi feita pela empresa responsável pelo fornecimento de energia, Energisa, em acordo com a Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon), após registradas 330 reclamações feitas por consumidores, denunciando o aumento expressivo nos valores da energia no mês de janeiro em Campo Grande.   

Segundo o site Correio do Estado, o parcelamento, conforme a Energisa é um meio de garantir ao consumidor que a dívida possa ser quitada, sem que pese na renda da família. A empresa justificou inicialmente que o aumento dos valores se deu, devido à altas temperaturas, que elevaram os gastos de eletrodomésticos nas residências, como ar-condicionado.

O tema chegou a ser debatido na solenidade de abertura do ano legislativo, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS). No entanto, deputados decidiram encaminhar, por requerimento, pedido para que a Energisa, apresente justificativa plausível sobre os aumentos nas contas de energia nos últimos meses. “Se a justificativa não for plausível, vamos abrir uma CPI [Comissão Parlamentar de Inquérito]”, adiantou Herculano Borges (SD).

O aumento expressivo no valor da conta também chamou a atenção de Marçal Filho (PSDB). De acordo com ele, foram constatados abusos em todo o Estado. “Na Câmara de Fátima do Sul, no recesso, sem o ar [condicionado] ligado, a conta veio mais cara que no mês anterior”, exemplificou.

Para protestar contra o aumento da energia, um abaixo assinado está sendo feito por populares, através da internet. O idealizador do movimento chamado "Energia Cara Não", Venício Leite, de 52 anos, morador de Campo Grande, explica que o documento pede transparência e investigação a política de preços aplicada pela Energisa em Mato Grosso do Sul.

"Queremos que não sejamos mais enganados, precisamos que o órgão regulamentador nos ajude, para que se houver crime a Energisa devolva todos esses anos aos consumidores. Porque tem algo muito esquisito aí", opinou Leite.  

De acordo com ele, envolvendo cerca de 40 municípios de MS, após a contabilização dos assinantes o documento será enviado à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para a tomada de providências.

Deixe seu Comentário

TV MS

04 de novembro de 2018
Entrevista - Alessandra Maestrine e Mirna Rubim falam sobre o espetáculo 'O Som e a Sílaba'

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 3305.4739
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma