28 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 21º

BR-163 irá gerar arrecadação de R$ 5 bilhões em impostos ao Estado

O presidente da empresa CCR-MSVia, Maurício Negrão, participa neste momento de audiência pública sobre a privatização da rodovia BR-163 em Mato Grosso do Sul promovida a pedido do deputado estadual Junior Mochi (PMDB), para esclarecer os detalhes do projeto.

Conforme Maurício, a rodovia é formada por 847 quilômetros de extensão dos quais 806 quilômetros serão duplicados. A princípio, segundo o presidente da CCR, começa a partir da segunda quinzena de maio, a duplicação dos primeiros 80 quilômetros da rodovia, pois ainda faltam ser entregues à empresa as licenças ambientais dos outros trechos que integram reservas indígenas, quilombolas e áreas de proteção ambiental. O prazo para conclusão desta primeira etapa é de um ano e meio e o restante da rodovia será duplicado até outubro de 2015.

Segundo o presidente da CCR, serão instaladas câmeras do modelo CSTV por toda rodovia que permitirão visão de 100% da BR-163. Além disso, a concessão prevê a recuperação, manutenção e ampliação da capacidade de peso da rodovia. Outro serviço oferecido será o atendimento médico. Ao todo, são 259 profissionais da área médica, dos quais 75 são médicos e o restante são técnicos em enfermagem e enfermeiros.

O investimento total da empresa será de R$ 5,5 bilhões e serão gerados quatro mil empregos, dos quais três mil são ligados diretamente às obras. A concessão que tem 30 anos de duração reverterá em impostos para o Estado R$ 5 bilhões, no final dos 30 anos, dos quais R$ 1 bilhão é de ISS (Imposto Sobre Serviço) que serão revertidos para os 19 municípios do interior que são cortados pela BR-163. Segundo Maurício, a alíquota máxima anual de ISS será de 5% sobre o valor total arrecadado nos postos de pedágio. O valor do pedágio será de R$ 4,38. A cada 100 quilômetros da rodovia haverá um posto de pedágio.

Heloísa Lazarini e Tayná Biazus