14 de junho de 2021
Campo Grande 27º 13º

Vendedores reclamam das baixas vendas nos primeiros dias de 2015

A- A+

O início do ano é uma época em que pais saem juntamente aos seus filhos nas  ruas em busca de novas mochilas para as crianças. O que deveria ser um período de aumento nas vendas não está acontecendo, conforme dizem os vendedores do Camelódromo.

A grande maioria reclamou da falta de movimento e da queda nas vendas, questão preocupante para aqueles que há anos possuem uma banca e veem 2015 como um ano difícil. “O movimento tá fraquíssimo, tá parado. Fazem 15 anos que eu tenho a banca e se este ano continuar do jeito como começou, só Deus na causa”, exclamou Valmir Caetano da Silva Nascimento, 44.

Da mesma opinião é Anderson Gomes, 22. Seu pai possui uma banca que vende apenas mochilas e conforme explicou esse é o segundo ano com queda nas vendas. “A venda tá menor que no ano passado, que já foi baixa, o fluxo de gente também está menos. Espero que até o final de fevereiro essas vendas aumentem”, disse.

Claudia Portilha de Souza, 34, serviços gerais, estava em busca de uma mochila para seu filho. Ela disse que os preços estão variados e encontrou desde mochilas no valor de R$ 70,00 até  R$ 160,00.

A fonoaudióloga Rosimeire Rodrigues, 45, também procurava uma mochila para seu filho. “Senti diferença em relação ao ano passado, acredito que os valores estejam 20% mais caro, eu compro mochila todo o ano, se ela for melhor, da para usar mais tempo, mas elas estão caras”.

Os vendedores não sabem explicar o porque da queda no  movimento e nas vendas, muitos acreditam que é devido ao período de férias, e que, como o brasileiro deixa tudo para a última hora, alguns dias antes do início das aulas as coisas irão melhorar.

Para eles, outro fator que influencia é a alta dos preços, que, da mesma maneira que compram produtos mais caros, eles revendem a um valor também superior, o que acaba influenciando.

Tayná Biazus