25 de outubro de 2020
Campo Grande 32º 21º

ARTIGO

Brasileiros se destacam no MILLIONS South America de Poker

A campanha extremamente positiva coloca o Brasil acima de países com Estados Unidos, Canadá e Argentina

A charmosa e turística cidade de Punta del Este, no litoral uruguaio, ficou um pouco mais brasileira na última semana. Isso porque os jogadores do país dominaram MILLIONS South America, torneio de poker dos mais representativos do continente, que teve sua mesa final realizada no último sábado (15).

O título ficou com Pablo Britz, conhecido no mundo do poker como Pabritz, que derrotou o compatriota Fábio Colonese no heads-up (a finalíssima do poker) com um full house, depois de abrir a mão com um par de valetes. Com a conquista, Pabritz embolsou a quantia de US$ 1 milhão (cerca de R$ 4,3 milhões), que foi sua maior de sua carreira no esporte da mente, e também a segunda maior de qualquer brasileiro no esporte em torneios ao vivo (perdendo apenas para Alexandre Gomes, que faturou US$ 1.187.670 (mais de R$ 5 milhões) em 2009, no WPT Bellagio.

Já Fábio Colonese ficou também com uma quantia significativa. Pelo vice-campeonato em Punta del Este, o jogador paulista levou pra casa nada menos que US$ 640 mil (mais de R$ 2,7 milhões). O sucesso brasileiro não para por aí. Apesar da eliminação de Yuri Dzivielevski, 18 brasileiros entraram na zona de premiação do torneio, que é um dos maiores torneios da América Latina.

A campanha extremamente positiva coloca o Brasil acima de países com Estados Unidos, Canadá e Argentina no torneio, e certamente eleva o patamar do poker brasileiro.

DEMAIS PREMIADOS

Além de Pablo Brito e Fabio Colonese, outros três jogadores faturaram quantias acima de R$ 180 mil: Pedro Madeira, que terminou o torneio na 8º colocação, Rafael Caiaffa, que finalizou como 9º colocado, e Lorenzo Bazei, que ficou com o 12º lugar. Respectivamente, cada um levou pra casa US$ 100 mil (R$ 436 mil), US$ 80 mil (R$ 349 mil) e U$$ 45 mil (R$ 196 mil).

Seguindo no ranking aparecem Luis Kamei (25º), Lineu Penteado (26º) e Daniel de Almeida (30º). Todos embolsaram a quantia de US$ 35 mil (R$ 152 mil). Dayane Kotoviezy (34º), Brunno De Albuquerque (36º), Ivan Gustavo Balzano (37º), Ana Cintra (38º), Gil Morgensztern (42º) e Rodrigo Cariola (44º) faturaram o total de US$ 30 mil (R$ 131 mil).

Completam a lista de premiados Augusto Camargo, 53º colocado, que ganhou U$$ 25 mil (R$ 109 mil); Norson Saho, 58º colocado, André Sá, 62º colocado, Alexandre Santo (63º colocado) e Durair Netto (64º), que ganharam US$ 20 mil (R$ 87 mil).

BRASIL CRESCE NO POKER 

Casos como o de Punta del Este devem passar a ser rotina se o Brasil mantiver seu crescimento no poker. Estima-se que o número de jogadores do país na modalidade, que é considerada um esporte da mente, seja de mais de 8 milhões.

O Brasil tem grande tradições em formar campeões. No World Series of Poker, principal circuito do planeta, já foram seis que levaram o bracelete para casa: Alexandre Gomes (2008), André Akkari (2011), Thiago Daceno (2015), Roberly Felício (2018), Murilo Souza (2019) e Yuri Dzivielevski (2019). No circuito europeu, já são mais de 25 títulos.

No ano passado, na World Championship of Online Poker (WCOOP), que é considerada a Copa do Mundo do Poker Online, o Brasil levou pra casa 23 títulos. O país ficou atrás apenas de Rússia e Reino Unido, que empataram na liderança, e teve atletas que superaram a marca de 1 milhão de dólares em premiação – feito que jamais havia ocorrido com brasileiros no esporte.

Em 2018, o Brasil liderou o ranking, com os mesmos 23 títulos. São números que mostram que o esporte está em franco crescimento no Brasil, e com um pouco mais de atenção, inclusive das autoridades, o país pode se estabelecer ainda mais como uma referência mundial no esporte da mente mais popular do mundo. E claro, formando campeões e milionários, como Pablo Brito, que teve certamente a semana mais inesquecívelde sua carreira em Punta del Este.