04 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

Benção

Fiéis se reúnem para receber a benção dos capuchinhos no Rio

Anualmente, 50 mil pessoas participam das missas e celebrações

Fiéis se reúnem desde cedo para receber a tradicional benção dos capuchinhos, no Santuário Basílica de São Sebastião, na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro. A primeira missa foi celebrada às 5h de hoje, seguida de celebrações de hora em hora. A última missa ocorrerá às 19h.

Ao final de cada missa, os fiéis podem receber as bênçãos com aspersão de água benta feita pelos frades. Durante todo o dia haverá a distribuição de garrafinhas com água benta.

A bênção dos capuchinhos, também conhecida como bênção dos barbadinhos - como os freis capuchinhos eram conhecidos no passado por causa da barba -, concedida na primeira sexta-feira de cada ano, é considerada, desde 2014, Patrimônio Cultural Carioca, junto com a procissão da festa de São Sebastião, no dia 20 de janeiro.

 Tradicional benção dos Capuchinhos,  concedida na primeira sexta-feira de cada ano, atrai fiéis ao Santuário Basílica de São Sebastião, na Tijuca, zona norte da cidade

Cerca de 50 mil fiéis participam, anualmente, da tradicional benção dos Capuchinhos, concedida na primeira sexta-feira de cada ano (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Segundo a história, a tradição começou em 1886, quando frei Fidélis de Ávola, fervoroso devoto de Nossa Senhora de Lourdes, curado de uma grave enfermidade com água benta, mandou construir uma gruta dedicada à santa, ao lado da Igreja de São Sebastião, localizada no extinto Morro do Castelo, no centro do Rio. Desde essa época, os freis franciscanos capuchinhos passaram a dar a bênção sempre na primeira sexta-feira de cada mês.

Com a demolição do Morro do Castelo, a igreja foi transferida para a Rua Haddock Lobo, na Tijuca, em 1931. A bênção passou a ser dada na agora Basílica de São Sebastião.

Segundo o frei Jorge Luiz de Oliveira, quase 50 mil pessoas participam da benção ao longo desta primeira sexta-feira. “As pessoas vêm agradecer a Deus as graças recebidas, vêm pedir saúde, paz, força, coragem para começar bem o ano e iniciar, assim, a caminhada de mais um ano que o Senhor nos dá a graça de podermos viver”, disse.

O militar da Marinha Bruno Barbosa, de 37 anos, esteve na igreja acompanhado da esposa, da mãe e dos três filhos. Ele contou que sempre que está no Rio participa da missa. “É importante a gente manter a tradição que remonta ao século 19. A gente vem sempre pedir tranquilidade, paz e saúde para o ano que se inicia”, disse.

A dona de casa Jovenita de Souza Barboza, de 74 anos, disse que assiste à missa há mais de 40 anos. Ela contou que sempre traz parentes e amigos. Desta vez, estava acompanhada da cunhada e de uma amiga. “Eu sempre trago alguém. Se para mim foi bom, acho que para outros vai ser também”, afirmou.