05 de dezembro de 2021
Campo Grande 33º 23º

AGRESSÃO A IDOSOS

Vídeo: Suely Gomes dos Santos é filmada batendo em idosos no asilo, diz MP

Justiça determina afastamento entre investigada e idosos, sob pena de prisão

A- A+

Suely Gomes dos Santos, presidente da instituição Casa do Aconchego, lar para idosos em Campo Grande (MS), foi flagrada por câmeras de segurança agredindo fisicamente e ofendendo verbalmente idosos moradores do local, que tem convênio e recebe repasses financeiros da prefeitura. (Veja as imagens fortes no vídeo abaixo).

Mariomar Alberto Alves da Silva, ex-enfermeiro e ex-responsável técnico do asilo denunciou o caso ao Ministério Público e à Polícia Civil.  

A promotora Cristiane Barreto Nogueira Rizkallah, acatou a denúncia que afirma que Suely “não possui tato e aptidão para lidar com idosos, sobretudo com aqueles que possuem patologias de ordem mental e/ou neurológica, tendo a requerida comportamento explosivo que os assusta e os amedronta”.

Nos vídeos, compartilhados nas redes sociais é possível ver uma mulher agredindo e discutindo com idosos, essa mulher, os denunciantes afirmam ser Suely. Em um dos vídeos ela agrediu um idoso que está deitado logo após ela ficar sozinha com o mesmo.  

Em um outro vídeo, Suely derruba um copo que está nas mãos de um idoso, “que tem Alzheimer”, e parece discutir verbalmente com ele.

Outra denúncia contra Suely Gomes dos Santos foi feita por uma cuidadora que não quer se identificar por medo de represálias. Segundo esta cuidadora, a gestora teria proibido uma idosa de receber tratamento psiquiátrico para “controle de demência não identificada e transtorno bipolar”.

AÇÕES NO MINISTÉRIO PÚBLICO

O Ministério Público entrou com duas ações na Justiça contra Suely. Em uma delas, que está em sigilo, a juíza da Vara da Infância, Adolescência e do Idoso, Katy Braun, determinou medidas protetivas em favor de 19 abrigados. As medidas proíbem que a presidente da instituição tenha contato com os idosos, tendo que ficar a uma distância mínima de 300 metros deles, sob risco de prisão.

Em outra ação, na 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos da Capital, o juiz David de Oliveira Gomes determinou busca e apreensão do equipamento de gravação de imagens da Casa Abrigo e a realização, com urgência, “de estudo psicológico do caso (pela equipe do fórum de Campo Grande) de modo que, ouvindo-se os internos, seja possível avaliar a presença ou não de maus tratos a eles.

O Ministério Público chegou a pedir o afastamento de Suely da presidência da instituição. Mas o juiz David de Oliveira Filho argumentou que “a retirada abrupta de alguém que está à frente de uma entidade como esta poderia causar ainda mais prejuízos aos seus institucionalizados”. Porém, o magistrado reforçou que a decisão pode mudar “se o pedido for renovado com outros elementos probatórios”.

A promotora Cristiane Rizkallah já está ouvindo testemunhas e analisando as provas da denúncia.

DEFESA

A defesa de Suely diz não ter assistido aos vídeos. Ao g1, o advogado de Suely Gomes, Alex Santos, afirmou que as denúncias são “tendenciosas e com grande grau de má-fé”.

“Estamos alinhados para descredibilizar essas denúncias feitas baseadas em má-fé de dois funcionários da gestão anterior e que foram demitidos. Não tive acesso aos vídeos e tenho certeza que não depõem contra minha cliente”, afirmou o advogado.  

Ainda segundo Alex Santos há uma carta feita de próprio punho pela filha de um dos idosos, supostamente maltratado, em que ela “afirma que o pai é muito bem tratado e se sente segura deixando o pai lá”.

Sobre a ação que corre na Vara da Criança, Adolescente e Idoso, o advogado da acusada afirmou “desconhecer” a ordem de distanciamento dos abrigados e disse que Suely está “trabalhando normalmente”.