15 de agosto de 2020
Campo Grande 35º 22º

Prefeitura destina R$ 450 mil para reformar escolas e vai gastar R$ 1,5 milhão com transporte univer

Mesmo com o corte de 48% no orçamento do transporte universitário, que provocará o fim da gratuidade a partir de 2014, a Prefeitura continuará gastando bem mais para atender 900 estudantes, boa parte, filhos de empresários e grandes produtores, que com a manutenção das escolas e centros de educação infantil freqüentados por mais de 8 mil crianças e adolescentes.Pela proposta orçamentária em tramitação na Câmara Municipal, ano que vem o transporte dos acadêmicos vai custar R$ 1,5 milhão, enquanto que a reforma e ampliação das 17 unidades escolares terá R$ 450 mil, muito pouco diante da situação precária de boa parte dos prédios escolares, alguns inaugurados há mais de 20 anos. Para as escolas municipais o orçamento reservou R$ 350 mil, gasto mensal atual da Prefeitura com o fretamento dos ônibus que levam os alunos para Campo Grande e Maracaju. Se esse recurso fosse direcionado para a rede municipal, transformaria as condições de ensino em estabelecimentos de ensino como a Escola Natália Moraes de Oliveira, na Vila Santa Marta. Inaugurada no início dos anos 90, nesse tempo todo o prédio só recebeu pintura na parte frontal. Os problemas no telhado provocaram o alagamento da secretaria onde ficam os históricos escolares; parte do beiral precisa ser trocado e a calçada nos fundos refeita. Nos dias de chuva ou sol forte as aulas de educação física ficam prejudicadas porque a quadra não é coberta. Como a escola é um dos polos do projeto social de incentivo a pratica do judô, as aulas são ministradas no saguão de entrada. Para não comprometer o andamento das aulas é preciso manter as salas com portas fechadas. Como as salas não são climatizadas, em dias de alta temperatura, fica difícil conciliar a atividade curricular e a esportiva. Nos centros de educação infantil a situação não é diferente. O orçamento da Prefeitura para reformar e ampliar os ceinfs é de R$ 100 mil. A dotação deste ano foi insuficiente para resolver situações emergências como a creche do Jardim Pindorama, onde algumas salas de aula ficam alagadas por causa de problemas no telhado e nas calhas. Os vereadores Waldemar Acosta e Edivaldo dos Santos, estiveram no local, constataram o problema e foram cobrar providências do prefeito. Até agora nada foi feito, simplesmente porque não há recursos, enquanto isso, facilmente se pode flagrar por volta das 17h na Praça Porfirio de Brito, acadêmicos filhos de empresários, produtor rural e de pessoas de alto poder aquisitivo, desfrutando da “bondade” do poder (gratuidade do transporte). Alguns não escondem o padrão de vida e ostentam. Chegam para embarcar nos ônibus em carros de luxo e caminhonetes. Região News