MS Notícias

domingo, 31 de maio de 2020

Dinheiro com o Prefeito

Quase 300 mil dólares caíram limpinhos nas mãos de Marcelo Iunes

Por: REDAÇÃO15/05/2020 às 07:33
ComentarCompartilhar

Nada menos que US$ 50 mil - ou R$ 290,5 mil na cotação de ontem (quinta-feira), com o dólar a R$ 5,81 – caíram nas mãos do prefeito Marcelo Iunes (PSDB), sem burocracia, a toque de caixa. E o prefeito não precisará prestar contas como manda o figurino porque trata-se de

uma doação do Banco de Desenvolvimento que opera com as linhas do Fundo Financeiro de Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata).

Esse tipo de operação só aconteceu porque o Fundo destinou US$ 300 mil em moeda norte-americana para ajudar quatro municípios brasileiros (Criciúma, Itajaí, Corumbá e Ponta Porã) no combate e prevenção ao Covid-19 – uma espécie de auxílio-emergência para as prefeituras.

Coube a Corumbá a quantia de US$ 50 mil, com um detalhe: a verba é exclusiva para aquisição de equipamentos de adaptação de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) para assistência específica pacientes infectados pelo Covid-19.

 O que os corumbaenses esperam é que o prefeito utilize todo o dinheiro nas finalidades para as quais foi doado. Entretanto, como não se trata de recurso obtido por meio de um empréstimo, sem necessidade de contrapartida ou garantias, e o processo de prestação de contas não tem os rigores das redes de controle, surgiram questionamentos na cidade.

 A população leva em conta os antecedentes de Marcelo Iunes,que constantemente está nas páginas do noticiário político protagonizando suspeitas por práticas imorais, como a nomeação e o favorecimento de familiares em contratos com a Prefeitura e editais de obras com ispensa de licitação.

PERIPÉCIAS - Entre as peripécias de Iunes com o dinheiro do contribuinte está a série de contratos para compras e serviços feitos sob o véu cinzento da suspeição: sem licitação – num uso desmedido do instituto da inexigibilidade – ou simplesmente beneficiando familiares ou empresas de fachada. Um dos casos recentes foi a contratação, em caráter emergencial, de materiais de consumo e de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para combate ao coronavírus.

A empresa sortuda, sem qualquer esforço e livre de concorrência, a Império Comércio de Produtos Hospitalares, tem seu endereço num imóvel vazio em Campo Grande e um dono que mora e foi candidato em Terenos.

Abocanhou R$ 2 milhões 028 mil 640, com vigência de 180 dias mediante aditivo de prorrogação contratual.

MOTIVOS - A desconfiança dos corumbaenses, principalmente os contribuintes que querem saber para onde vai o dinheiro com que pagam os impostos, tem outras razões. Entre 2017 e 2019, Marcelo Iunes mandou pagar R$ 982 mil para uma empresa que passou pelas mãos de dois familiares de primeiro grau. No início, com o nome Citolab, a empresa agraciada tinha dois sócios: José Batista Aguillera Iunes e Amanda Cristina Balancieri Iunes, coincidentemente um irmão e a esposa do prefeito.

Mais tarde, com outro nome – JBA Iunes -, mas surfando na mesma onda do negócio lucrativo com a Prefeitura, o empreendimento selou a previsão de mais um apetitoso repasse: R$ 101 mil 485,17.

A especialidade empresarial: prestação de serviços de exames laboratoriais, como biópsias, glicemia, colesterol e ácido úrico.  Não é difícil identificar a associação afetiva e fraternal entre quem paga e quem recebe o dinheiro dos cofres públicos – as iniciais JBA da firmas contratada são de José Batista Aguillera, o irmão.

Deixe seu Comentário

TV MS

15 de maio de 2020
Ministério da Cidadania fala sobre auxílio emergencial
Ministério da Cidadania fala sobre auxílio emergencial

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma