12 de junho de 2021
Campo Grande 25º 14º

Após queda de braço, Prefeitura deve retomar Instituto Mirim depois de 15 de abril

O final da reunião de conciliação a respeito dos destinos do IMCG definiu que os estatutos serão alterados e a instituição retornará à gestão do executivo municipal.

A- A+

Após a audiência realizada na Câmara Municipal de Campo Grande na tarde de hoje (6), atendendo a proposta do vereador Paulo Pedra (PDT), ambas as partes reuniram-se na sala dos vereadores para buscarem um entendimento para a questão.

Na saída da reunião, por volta de 17h30 os representantes do Instituto Mirim, da Prefeitura de Campo Grande e vereadores chegaram a um acordo que determina uma Assembleia a ser marcada para a sexta-feira (10) que deverá reformular o estatuto da entidade, retomando ao que era até 2008. Neste caso, a Prefeitura irá reassumir os destinos do Instituto Mirim, indicando uma nova diretoria que comandará os destinos da instituição até o final do mandato do atual prefeito, Gilmar Olarte (PP sob liminar).

Toda a manifestação que envolveu a instituição comandada por Mozania Campos Ferreira, pelo que pode perceber,  tem pouco a ver com a atual gestão e mais com uma batalha política entre grupos que não pretendiam arriscar ficar à margem da próxima administração.

Em relação a projeto do executivo a ser votado amanhã (7) em sessão da Câmara Municipal, que transforma o Instituto em Fundação e o colocaria novamente sob a direção do executivo municipal, o vereador Paulo Pedra disse que será discutido apenas amanhã durante a sessão. Há a possibilidade que seja retirado da pauta do dia até que se confirme a alteração nos estatutos do IMCG. Caso isso não ocorra, o projeto retornaria à pauta.

De qualquer forma, o prefeito Gilmar Olarte poderá, enfim, indicar a primeira-dama Andréia Olarte para o Instituto e ganhar uma folga de caixa de mais de R$ 1 milhão que atual gestão deixará em caixa. Em relação ao futuro dos maiores interessados, muito se falou e pouco se levou em consideração.