25 de outubro de 2020
Campo Grande 32º 21º

Aliança branca entre PT e PSDB começa a ser descartada

A possibilidade de uma aliança branca entre o PT (Partido dos Trabalhadores) e o  PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) começa a perder força em vários aspectos. Enquanto o senador Delcídio do Amaral (PT) e o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) assinalam que os diretórios nacionais abririam uma exceção para o Estado, o convite feito pela presidente Dilma Rousseff (PT) para conversar com o governador André Puccinelli (PMDB) demonstra o contrário.

Após reunião com os deputados federais na tarde de ontem, Puccinelli afirmou que essa chapa branca é contra a lei de ambos os partidos e seria um “concubinato”. Embora seja um grande opositor à gestão de André, o deputado estadual Amarildo Cruz (PT) concorda com seu adversário. “As direções nacionais do PT e do PSDB não permitem a aliança, são adversários. O PSDB faz oposição ferrenha a presidente Dilma. A aliança é extremamente difícil do ponto de vista formal. É uma verdade o que ele disse”.

Segundo Amarildo, apesar de Delcídio estar dialogando com todos os partidos, essa união poderia prejudicá-lo nas urnas. “É subestimar a inteligência do eleitor. Acho difícil de acontecer até porque os projetos são diferentes e acho que o eleitorado não aceita. Os partidos têm posições diferentes em diversos temas, defendem setores diferentes da sociedade, têm politicas públicas diferentes. Um é mais do povo e dos movimentos sociais e o outro é mais conservador, privilegia a privatização. São posturas diferentes de governar. Acho que o eleitorado está mais atento e terá mais senso crítico nessas eleições”, defendeu.

Além disso, Amarildo descarta a possibilidade de lançar o secretário estadual de obras, Edson Giroto (PR), como vice-governador na chapa de Delcídio. Questionado se essa junção não seria uma forma de estar mais próximo ao PMDB, aliado na bancada federal e adversário  na executiva sul-mato-grossense, já que Giroto é ligado ao governador André, o deputado foi bem claro que não passa de especulação.

“Não acredito nisso. É muita especulação e pouca verdade. O povo vai ver como aliança com o PMDB. O PT não precisa fazer aliança formal com PMDB ou com o PSDB. Por que não três candidatos? Acho que o melhor cenário é de três projetos. Temos que fazer nossa parte deixando nosso candidato forte para disputar a eleição e ganhar”, acrescentou.

Por outro lado, o deputado federal Antônio Carlos Biffi (PT) continua com um discurso de que o partido está aberto a todas as possibilidades. “Oficialmente não pode fazer aliança, só aliança branca. Mas ainda é cedo. Temos cinco meses de estrada para discutir. Vamos namorando, ficando com todo mundo. Casamento mesmo só em 30 junho”, brincou. Conforme Biffi, o comentário do governador é uma "meia verdade".

Diana Christie