29 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 20º

Azambuja calibra posicionamento e mantém conversa afiada com petistas

</div>
<div style="text-align: justify;"></div>
<div style="text-align: justify;"> Têm sido mais importantes na divulgação de seu mandato temas como o Projeto "Pensando MS", lançado pelo PSDB estadual para debater desafios sociais e econômicos de Mato G
 Têm sido mais importantes na divulgação de seu mandato temas como o Projeto "Pensando MS", lançado pelo PSDB estadual para debater desafios sociais e econômicos de Mato G - Foto:
Na semana em que o Ibope reafirmou a folgada liderança da presidenta Dilma Roussef na corrida para a reeleição e o PSDB desencadeou a nova e mais virulenta campanha contra o petismo, na tentativa de oxigenar a combalida pré-candidatura presidencial de Aércio Neves, o deputado federal tucano Reinaldo Azambuja mostra a disposição de não reproduzir no Estado o mesmo apetite com que seu partido se lança nos ataques ao PT. De olho na possibilidade cada vez maior de construir uma "aliança branca" com o PT, para candidatar-se ao Senado em troca do apoio a Delcídio Amaral na sucessão do governador André Puccinelli (PMDB), Azambuja deve estar calibrando ao máximo o tom que pretende empregar na campanha, caso esta inusitada composição seja concretizada.
Basta abrir o "site" de Azambuja na Internet e constatar que a escolha editorial dos assuntos sobre suas intervenções nos últimos dias transitam longe do ferrenho tiroteieo que PSB e PT travam como partidos nacionais já na disputa pelo poder máximo do País. Ao que se pode deduzir de sua página na Internet, ele prefere realçar as ações de varejo ou questões que passam ao largo do confronto cada vez mais inflamado entre as duas legendas. Reinaldo Azambuja
 Têm sido mais importantes na divulgação de seu mandato temas como o Projeto "Pensando MS", lançado pelo PSDB estadual para debater desafios sociais e econômicos de Mato Grosso do Sul e, de quebra, massificar a inserção de Azambuja no interior. O projeto põe os temas dos debates à disposição de todos os partidos e foi aberto com a presença de Delcídio Amaral e outras forças que atuam na interlocução política do PT. Mas o PMDB até agora não enviou nenhum representante, indicando o distanciamento crescente entre Azambuja e Puccinelli.
Para consolidar a "aliança branca" com Delcídio e os petistas, Azambuja sabe que precisará vencer uma barreira poderosa, formada pelos chamados militantes autênticos, cujos núcleos de maior resistência ideológica são os formados pelas correntes mais à esquerda e pelo grupo ligado ao ex-governador Zeca do PT. Depois da recente visita de Lula, quando o ex-presidente e Zeca praticamente liberaram Delcídio para buscar as alianças que julgar necessárias, Azambuja ganhou terreno nas articulações para disputar o Senado e afastar-se de vez das hipóteses de compor com o PMDB ou lançar candidatura própria ao Governo.
Assim, fica destemperada e pouco efetiva em Mato Grosso do Sul a arrancada do PSDB para conduzir Aécio neves à disputa presidencial de 2014. Na segunda-feira, 18, em Poços de Caldas, o nome de Aécio foi aclamado por cerca de mil militantes e confirmado por lideranças do alto clero tucano, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os governadores Geraldo Alckmin (SP) e Antonio Anastasia (MG). E o discurso de campanha se ratificou em todas as manifestações dos dirigentes do PSDB: atacar o PT sem piedade.
Edson Moraes