28 de setembro de 2020
Campo Grande 34º 24º

Bernal garante hospital municipal da Capital está prestes a sair do papel

Ressaltando ter um bom relacionamento com a presidente Dilma Rousseff (PT), o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), deixou claro que muitos de seus projetos podem fazer parte do PAC 3, que  terá perfil voltado para obras de caráter social e urbano. “Com certeza muitas obras da Capital estão no PAC 3, quero aproveitar a questão do programa ser voltado para obras e conseguir recursos para realizar diversas obras em Campo Grande”.

Questionado sobre a construção do hospital municipal de Campo Grande, o prefeito garantiu que terá uma reunião em Brasília para tratar do assunto. “Eu vou até Brasília nos próximos dias porque minha ideia é construir o hospital na rua Euller de Azevedo com a Tamandaré, quero utilizar um espaço que tem ali para construir este hospital, que com certeza atenderá toda a população”.

O prefeito voltou a reclamar da Câmara dos Vereadores e garantiu que se não fosse alguns vereadores que tentam “sujar sua imagem”, muitos projetos estariam aprovados e sendo executados. “O problema é que ainda existem vereadores que ficam me perseguindo, querendo que meu mandato seja cassado, eu não vou perder meu tempo com quem não quer trabalhar, com quem não faz nada pela sociedade, estou trabalhando pelo povo”.

Mais de R$ 1,2 milhões de créditos para micro-empresários  Durante o evento o diretor da Funsat (Fundação Social do Trabalho) Aldo Donizete anunciou que neste ano haverá disponível para empréstimo R$ 1,2 milhões para os microempresários de Campo Grande.  Segundo Aldo, em 2013, a prefeitura disponibilizou R$ 680 mil em empréstimos, na forma de microcrédito, valor bem acima do ano anterior, que foi de R$ 120 mil. O diretor da Funsat destacou que a maneria como o prefeito tem coordenado os trabalhos da fundação, concedendo autonomia para que ele juntamente com outras secretarias desenvolvam programas para capacitar a população, tem contribuído para melhorar a qualidade de vidas da população de Campo Grande. “Este ano temos uma meta de qualifica 2.240 pessoas e isso significa que a prefeitura está contribuindo para sanar um problema da economia da cidade que é a falta de mão de obras qualificada”, explica Aldo.