23 de junho de 2021
Campo Grande 30º 17º

Desdobramento

Comissão de Saúde vai convidar Nelsinho Trad para explicar ‘Gisa’

O vereador Loester Nunes, pretende convidar o ex-prefeito para explicar à Comissão o caso Gisa, que provocou um rombo de R$ 14 milhões nos cofres da Prefeitura.

A- A+

Durante sessão comunitária da Câmara Municipal, realizada no Bairro Bonança, o vereador Loester Nunes (PMDB), disse que a Comissão Permanente de Saúde, que preside, irá convidar o ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB) para dar explicações sobre o caso Gisa (Gerenciamento de Informações em Saúde), que consumiu R$ 10 milhões sem nunca haver funcionado da maneira que deveria.

O sistema que deveria modernizar e integrar a rede pública de saúde do município recebeu investimentos de mais de R$ 8,1 milhões do Mistério da Saúde, e agora o município de Campo Grande foi condenado a restituir esse valor, mais juros, alcançando valor superior a R$ 14 milhões.

Nessa terça-feira (24), o MPF (Ministério Público Federal) ajuizou duas ações contra o ex-prefeito Nelson Trad Filho; seu ex-secretário Municipal de Saúde Pública e atual deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM); mais 24 pessoas entre servidores públicos e empresários, além das empresas contratadas. Caso seja condenado, Nelsinho Trad poderá ficar inelegível por 8 anos. 

Questionado sobre as possíveis ações que a Câmara, por meio da Comissão de Saúde, tomará após esse ajuizamento da ação do MPF, o vereador Loester Nunes disse que irá convidar o ex-prefeito para expor essa situação para os demais membros da Comissão.

“Acho que a Câmara, por meio da Comissão, tem que ter noção e acompanhar o caso, especialmente neste momento que o Ministério Público ajuizou a ação. Temos que ouvir dele qual é a história desse processo. Já na próxima semana quero fazer o convite para que ele se explique perante a Comissão. Creio que é, inclusive, de interesse do Nelsinho poder explicar esse caso”, disse Loester.

Constrangimento

Com relação ao constrangimento que a ação do MPF causou ao próprio PMDB, uma vez que no dia anterior havia a definição de que Nelsinho e o ex-governador André Puccinelli ficariam responsáveis por ações de fortalecimento do partido, os vereadores optaram por dizer que isso não altera o que foi definido. “As explicações devem partir do próprio Nelsinho, agora, isso ainda é um processo que ainda tem que ser recepcionado pelo Poder Judiciário, depois instaurado um processo, enfim, tem todo um caminhar até haver a avaliação da conduta administrativa tomada”, disse a vereadora Carla Stephanini (PMDB).