01 de julho de 2022
Campo Grande 30º 19º

ACESSO PAGO

Conexão Santos-Brasília: Justiça rejeita pedido da defesa de Milton Ribeiro

Aliados de Bolsonaro e sua campanha dizem que o episódio é um 'verdadeiro desastre'

A- A+

A Justiça Federal rejeitou um pedido feito pela defesa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e manteve a determinação de transferi-lo para Brasília. Ribeiro foi preso na manhã desta quarta em Santos (SP).

O juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal de Brasília em despacho ao advogado de Ribeiro, Daniel Bialski, no início da tarde desta quarta-feira (22.jun22), manteve sua ordem anterior para transferir o ex-ministro para Brasília.

“Não me deram vista de nada. O juiz disse que só vai me dar vista amanhã depois da audiência. Mas mesmo assim eu vou fazer um habeas corpus, um mandado de segurança, para poder ter vista. Não tem cabimento você prender alguém sem dizer os motivos, nem dar vista ao advogado”, afirmou o advogado de defesa de Ribeiro. 

Aliados de Bolsonaro e sua campanha dizem que o episódio é um ' verdadeiro desastre'. 

Com Bolsonaro, MEC apresentou ações para 2021 a prefeitos. O então ministro Milton Ribeiro aparece ao lado dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos. Foto: Catarina Chaves/MECCom Bolsonaro, MEC apresentou ações para 2021 a prefeitos. O então ministro Milton Ribeiro aparece ao lado dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos. Foto: Catarina Chaves/MEC

Aliados de Lula, reforçaram nesta quarta-feira a defesa da abertura de uma CPI para investigar o MEC.

A operação da PF “Acesso Pago” que prendeu Ribeiro também cumpriu mandados de busca e apreensão contra os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, amigos pessoais de Bolsonaro que teriam montado um gabinete paralelo no Ministério da Educação (MEC), para trocar 'verbas' em voto. 

O pastor Gilmar Santos também já foi preso pela PF. Milton Ribeiro é o 1º ex-ministro do presidente Jair Bolsonaro (PL) a ser preso.

A operação foi deflagrada nesta 4ª feira (22.jun). A investigação apura a prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).  (Eis a íntegra).