19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

ELEIÇÕES 2022

Decisão do STF confirma Lula potente em 2022 e acende Brasil, diz Vander

Deputado comenta decisão de 8 a 3 que devolveu direitos políticos à Lula 

A- A+

Por oito votos a três, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quinta-feira (15. abril), retirar os processos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pela Lava-Jato. A maioria entendeu que as ações penais não têm relação com os desvios da Petrobras, foco da operação. Com isso, também foi confirmada a decisão que anulou as condenações de Lula, o que permite que ele se candidate a presidente da república em 2022.

“É o nosso candidato! Vamos construir agora um projeto de recuperação, para ajudar o povo brasileiro, ajudar o povo mais pobre. Levantar um programa que enfrente essa questão da economia, programa de distribuição de renda, combate à fome e combate à pandemia. O [Lula] é o cara mais preparado para isso e o povo está percebendo isso, que estão com saudades do Lula... e a decisão de hoje enterra qualquer desconfiança de que ele não venha ser candidato”, analisou o Deputado Federal Vander Loubet (PT-MS).

Segundo o deputado, a decisão devolve os direitos que nunca deveriam terem sido retirados de Lula. “O que o Supremo decidiu, que o foro do processo dele não era legítimo. Eu acho que assim, vai ser que nem pólvora, vai acender esse Brasil. Perceberam que tudo que construímos, esse governo aí vem acabando com tudo, seja os programas às universidades, os programas de apoio à população. Esse governo que está aí não tem projeto, não compra vacinas... e as pesquisas estão mostrando isso. Agora nós vamos construir um programa para esse país e a gente tem tudo para voltar ano que vem”, avaliou. 

A pesquisa postada acima mostra Lula 18 pontos a frente de Bolsonaro e foi divulgada ontem (14. abril) - Veja Aqui. 

Para Vander, Sergio Moro como juiz foi tendencioso. “Agora os fatos comprovam... as conversas reveladas: um juiz tendencioso, sempre parcial, tomou um lado. Agora do SFT é bem sólida, com 8 votos, revela isso”, disse. 

Na decisão, além de Fachin e Moraes, votaram para retirar os processos de Curitiba os ministros Rosa Weber, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso. Apenas Nunes Marques, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux se posicionaram de forma contrária.

O deputado adiantou ainda que a eleição presidencial sempre fortalece as lideranças estaduais, mas ponderou quanto a um nome à Governador em 2022. “A eleição sempre fortalece as lideranças nos estados, isso vai nos permitir fazer uma aliança mais ampla, sou daquela da tese do próprio Lula, não necessariamente nós precisamos ter um candidato à governador..., mas é... eu acho que agora é por etapas né? Mas essa decisão [do STF] fortalece muito a gente”, argumentou.

Vander apontou que o problema não é ser investigado e sim ter para isso um juízo imparcial. “Essa correção é o que mais importante nessa decisão do Supremo”, finalizou.