27 de fevereiro de 2021
Campo Grande 32º 22º

Deputado tucano rebate Zeca e espera que prisão de Delcídio “sirva de exemplo”

A notícia mais importante do cenário político divulgada nesta quarta-feira (25), (sobre a prisão do senador e líder do Governo no Senado, Delcídio do Amaral) dividiu opiniões entre os parlamentares de Mato Grosso do Sul. 

Sempre polêmico, o deputado federal Zeca do PT, conversou com o MS Notícias e afirmou que a prisão do senador Delcídio é uma tentativa de desmoralizar e prejudicar o Governo do PT, “É evidente que este fato, ocorrendo com uma figura de grande representatividade como o Delcídio prejudica e muito a imagem do nosso partido, não por ele ter sido preso, mas por que as coisas tem acontecido somente com o PT”, pontua o deputado.

PT x PSDB

Zeca também questiona os procedimentos da investigação e cobra investigações em cima do PSDB, partido tucano que nos últimos anos travou uma guerra oposicionista contra o Partido dos Trabalhadores. “Desde quando eu era vereador, eu comentava que existia uma criminalização da política e percebemos que existem tratamentos seletivos diferenciados, uma parcialidade, por quê não investigam o Aécio? Por quê não apuram denúncias do “mensalão tucano de Minas”? E o metrô de São Paulo? Existe muita seleção na hora de investigar e acredito que essa situação é uma perseguição política para destruir a imagem do partido, principalmente a de Lula, com projetos políticos para 2018. Vamos levantar a cabeça e temos a consciência de que as coisas serão esclarecidas futuramente”, analisou o deputado.

“Toma lá da cá”
Respondendo as críticas ao partido tucano feitas por Zeca, o deputado estadual professor Rinaldo (PSDB), disse que tudo que o partido está passando é consequência dos 12 anos do PT no poder. “Antes o PT era contra tudo e contra todos, agora que as coisas estão sendo feitas de forma igual não podem reclamar. Se alguém cometeu qualquer tipo de crime, tem sempre o direito de ampla defesa e se houve ilicitude a Justiça terá que cumprir o seu papel. Tem que investigar todo mundo mesmo, são 12 anos de poder, estamos vivendo uma situação complicada economicamente e politicamente e ai está o resultado. Que isso sirva de exemplo, eu lamento a prisão dele mas isso mancha a imagem da classe política”, diz o deputado.

Posição do Senado
Enquanto os políticos comentam sobre a prisão, de acordo com a assessoria de comunicação da Casa de Leis, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) tem a prerrogativa de solicitar a liberação do petista no prazo de 24 horas, conforme o exposto no art. 53 da Constituição Federal que prevê a imunidade de Deputados e Senadores. A imunidade material, também denominada "inviolabilidade parlamentar" está prevista no "caput" do Art. 53, da Constituição Federal: "Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos".