29 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 20º

Dourados pode ganhar cooperativa da agricultura familiar

O município de Dourados pode ganhar mais uma cooperativa de apoio à produção familiar. É a Coopverde, que atua no processamento de milho e mandioca da agricultura familiar, cuja articulação para implantação é feita pela prefeitura.

Na manha desta quarta-feira, o gerente administrativo da cooperativa Gleison Rocha e o gerente de logística e marketing Eder Barbosa se reuniram com representantes dos assentamentos Lagoa Grande e Amparo, da Agrovila Formosa, da Associação de Mulheres de Indápolis, do Território da Grande Dourados e dos índios, na sede da Semafes (Secretaria de Agricultura Familiar e Economia Solidária).

De acordo com o secretário Landmark Ferreira Rios, a prefeitura apoia todas as iniciativas que possibilitem a diversificação e o aumento da produção dos pequenos agricultores. “A proposta do prefeito Murilo é agregar valor à produção da agricultura familiar. Todo o empreendimento nesse sentido tem o nosso apoio”, afirmou Landmark.

A proposta da Coopverde, que tem sede em Terenos, segundo Eder Barbosa, é montar uma filial em Dourados para a compra de milho verde e a sua transformação em pamonha a ser destinada à merenda escolar e ao mercado em geral. A empresa também produz o salgadinho chamado chips à base de mandioca da agricultura familiar.

Essa primeira ação visa levantar o interesse dos produtores de serem fornecedores desse tipo de milho. Havendo interesse, a cooperativa se instala na cidade e começa a filiar os cooperados.

“Nós temos muita demanda e precisamos aumentar a produção; por isso estamos procurando municípios onde a agricultura familiar é forte, como Dourados”, disse Barbosa.

A cooperativa produz pamonha há 4 anos e começou a produzir salgadinho de mandioca no ano passado. Uma filial já foi criada em Maracaju e outra está em processo em Nova Alvorada do Sul.

Para o produtor rural douradense Marco Aurélio Schwinger, que planta 12 hectares de milho em Vila Formosa, a proposta é interessante. “Eu só não planto uma área maior porque o mercado já está limitado. Se tiver para quem vender tenho como expandir minha produção”, afirma. Nesse sentido, ele destaca como muito importante a iniciativa da prefeitura de procurar alternativas para a comercialização da produção. Marco Aurélio entrega o milho verde já em bandejas nos supermercados de Dourados.

Portal Prefeitura Municipal de Dourados.