02 de maro de 2021
Campo Grande 33º 21º

CPI do Genocídio

Em 9 anos, 2.167 ocorrências envolvendo índios foram registradas em Mato Grosso do Sul

Aconteceu nesta quinta-feira (4) oitiva da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura violência contra índios em Mato Grosso do Sul entre 2000 e 2015. 

Na oitiva participaram o delegado geral da Polícia Civil, Roberval Maurício Cardoso Rodrigues, e o comandante da Polícia Militar do Mato Grosso do Sul, coronel Deusdete Souza de Oliveira Filho. 

Em contribuição aos trabalhos de apuração, o delegado Roberval Rodrigues entregou aos parlamentares que integram a comissão uma lista de todas as ocorrências investigadas pela Polícia Civil e encaminhadas ao Ministério Público Estadual ao longo dos últimos 15 anos. “Está tudo relatado nesses inquéritos, inclusive com autoria concluída, tudo devidamente entregue ao Ministério Público. A partir daí, o que tiver de ser julgado o MPE encaminhará ao Judiciário”, explicou o delegado.

Após o depoimento, a comissão, por sugestão da deputada Antonieta Amorim (PMDB), decidiu que vai enviar um ofício ao MPE e ao Ministério Público Federal convidando seus respectivos representantes para as próximas oitivas. “Precisamos saber quais os encaminhamentos dados a esses inquéritos”, pontuou a parlamentar. 

Em sua fala, o comandante da Polícia Militar, Deusdete Oliveira Filho, entregou alguns documentos à comissão e explicou que, entre 2007 e 2016, foram registradas 2.167 ocorrências nas reservas indígenas do Estado, a grande maioria referente a homicídios, suicídios, tráfico de drogas e estupros, Ainda segundo Deusdete, os municípios de: Japorã, Dourados, Caarapó e Amambaí são principais locais de ocorrências.

Durante a reunião, os parlamentares também deliberaram sobre a solicitação de relatórios para a Fundação Nacional do Índio (Funai); Secretaria Especial da Saúde Indígena (Sesai); do Ministério Público Federal (MPF) e a reiteração do pedido à Polícia Federal dos relatórios sobre os casos de violência que envolveram os povos indígenas entre 2000 e 2015 no Mato Grosso do Sul.